Campo Grande Quinta-feira, 23 de Maio de 2024



Rural Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008, 10:01 - A | A

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008, 10h:01 - A | A

Dívidas de pequenos produtores já podem ser negociadas

Da Redação (TA)

Agências do Banco do Brasil na região do Cone-Sul já estão iniciando a negociação com os pequenos produtores beneficiados pelo rebate de dívidas concedido pela União, aos atingidos pelas medidas de contenção do foco de febre aftosa.

O prazo limite para quitação dos 5% remanescentes é 30 de dezembro de 2008, por isso é preciso que os beneficiários procurem o Banco do Brasil rapidamente. Desde a edição do decreto, a Secretaria Estadual da Produção, especialmente por meio da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), tem se mobilizado com sindicatos, cooperativas, assentados e integrantes de um grupo intermunicipal para orientar sobre os procedimentos de acesso ao benefício.
Segundo o diretor-executivo da Agraer, José Alexandre Tranin, ainda é aguardada da direção do Banco, em Brasília, a liberação de um sistema eletrônico, mas o atendimento já acontece manualmente. “O sistema computadorizado ainda não está pronto, mas o banco já está encaminhando de forma manual a operação com os agricultores”, explica Tranin.

Segundo o diretor, há informação de que nas cidades de Mundo Novo e Japorã as agências bancárias estão agendando o atendimento, para prestar melhor serviço aos produtores. “Com hora marcada, é possível atender com mais tranqüilidade”, ele avalia. Esses dois municípios, e também Itaquiraí, Iguatemi e Eldorado foram beneficiados pelo decreto federal nº 6.597/2008, editado em outubro, que autoriza o rebate de 95% das dívidas contraídas pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar até dezembro de 2005.

A estimativa é de que 3,7 mil famílias tenham direito ao rebate. São pequenos agricultores familiares assentados e tradicionais de 3.500 projetos, cuja dívida que se tornou impossível de pagar equivale a aproximadamente R$ 30 milhões. (Com informaçõe da Seprotur)
 

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS