Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 19 de Abril de 2021 |
27˚
(67) 3042-4141
Economia
Quarta-Feira, 03 de Março de 2021, 16h:41
Tamanho do texto A - A+

Auxílio emergencial custará R$ 34,2 bilhões aos cofres públicos

PEC que viabiliza o novo auxílio será votada pelo Senado

Lethycia Anjos
Capital News

Marcello Casal/Agência Brasil

Deflagra operação contra fraudes no auxílio emergencial

Estudo considerou pagamento de quatro parcelas de R$ 250 para 45 milhões de brasileiros

De acordo com o Relatório de Acompanhamento Fiscal publicado no dia 22 de fevereiro pela Instituição Fiscal Independente (IFI), a retomada do auxílio emergencial deverá custar em torno de  R$ 34,2 bilhões ao Governo.

 

A projeção feita pela Instituição ligada ao Senado Federal, considerou no cálculo o pagamento de quatro parcelas no valor de R$ 250 para cerca de  45 milhões de brasileiros. “O cenário base inclui gasto com auxílio emergencial no valor de R$ 34,2 bilhões. Esse valor é compatível com um benefício mensal de R$ 250,00, concedido por quatro meses para 45 milhões de pessoas (incluindo beneficiários do Bolsa Família). Nos cenários alternativos, com diferentes hipóteses para o programa, o gasto varia de R$ 24,2 bilhões, no otimista, a R$ 58,7 bilhões, no pessimista. Nas projeções, o gasto com o auxílio não está sujeito ao teto”, destaca o relatório. 

 

O relatório do IFI considerou ainda medidas como pagamento de cota dupla para mulheres chefes de família e sugeriu o uso de recursos oriundos do Bolsa Família para o pagamento. Conforme o documento, o efeito do novo auxílio sobre o Produto Interno Bruto (PIB), em 2021 seria menor. “O impulso sobre a atividade econômica derivado da recriação do auxílio financeiro à parcela vulnerável da população (despesa estimada em R$ 34,2 bilhões, [...]), no segundo e terceiro trimestres, por sua vez, será bem menor do que foi no ano passado (que foi de, aproximadamente, 4% do PIB)”, reforça o relatório.

 

A PEC Emergencial (PEC 186/2019), que viabiliza a recriação do auxílio emergencial, passará por votação no Senado, se aprovada a medida cria base para um novo auxílio emergencial por meio da  flexibilização das regras fiscais que possibilita mais espaço no orçamento para os pagamentos, deixando esses gastos fora do teto. 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix