Campo Grande 00:00:00 Terça-feira, 23 de Julho de 2024


Economia Terça-feira, 02 de Janeiro de 2024, 14:42 - A | A

Terça-feira, 02 de Janeiro de 2024, 14h:42 - A | A

Material Escolar

Procon de Mato Grosso do Sul encontra em Campo Grande variação de 415% em item como apontador

Procon alerta para pesquisa antecipada em diversas papelarias de itens escolares

Juliana Brum
Capital News

Procon MS alerta para pesquisa antecipada para os pais em relação aos itens escolares devido a variação de 415% em itens como apontadores e lápis, nas papelarias da Capital.

A compra dos materiais escolares vai demandar bastante pesquisa e para ajudar neste processo o Procon/MS (Secretário-Executivo de Orientação e Defesa do Consumidor), instituição vinculada à Sead (Secretaria de Assistência Social e dos Direitos Humanos), divulga levantamento feito em dez papelarias de Campo Grande.

Dentre os 17 itens pesquisados, no período de 18 a 29 de dezembro, as variações encontradas foram de até 415,63%. É o caso do apontador de lápis um furo vendido em papelarias no Centro com valores entre R$ 0,32 e R$ 1,65.

Também um único modelo de lápis de escrever, das nove marcas pesquisadas, teve detectada uma diferença de 244,49%. O item, no geral, é comercializado por R$ 0,31 a R$ 1,59. Já o caderno de 10 matérias apresenta valores entre R$ 10,50 e R$ 56,29. Porém, em um mesmo produto a variação pode chegar a 170,52%.

“Os dados da pesquisa servem de suporte aos consumidores e consumidoras na hora de planejar as compras dos materiais escolares. Recomendamos revisar os itens com os filhos, comparar preços entre as lojas e, quando possível, comprar em quantidades que possam garantir um melhor custo-benefício”, aconselha o secretário-executivo do Procon/MS Antonio José Angelo Motti.

Divulgação / Procon MS

Pesquisa do Procon aponta variação de preço em até 800% nos materiais escolares

Procon realiza ação pesquisa de preço de materiais escolares

O Procon MS também faz uma alerta que situações que não são permitidas como: conforme a Lei Federal 12.866/13, as listas de materiais escolares não podem conter itens de uso coletivo ou para o funcionamento da instituição. Isso inclui equipamentos de escritório, como grampeadores e copos, até produtos de limpeza.

O uso pedagógico dos materiais deve constar na lista, especialmente os utilizados em aulas de artes como isopor e tintas, caso contrário podem ser considerados abusivos. É ainda ilegal exigir a compra de itens de marcas específicas, com a exceção de livros didáticos e apostilas quando solicitados.

Caso o consumidor verifique alguma prática abusiva, ela pode ser denunciada em dias úteis pelo telefone 151 ou a qualquer momento via formulário “Fale Conosco” no site do Procon/MS.

 

 

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS