Segunda-feira, 20 de Maio de 2024



Política Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008, 09:12 - A | A

Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008, 09h:12 - A | A

Vereador por Naviraí é acusado de compra de voto

Da redação (LM)

O vereador eleito por Naviraí, Marcos Volpato (PP) foi denunciado ao Ministério Público Estadual (MPE) pelo candidato derrotado Apolônio Cândido dos Santos (PDT). A acusação é de compra de votos e no processo (já montado pelo promotor de Justiça da Comarca de Naviraí - Paulo Riquelme de Macedo Júnior) há várias provas em anexo, juntadas pela Polícia Federal.

O volume processual deve ser objeto de análise da juiza eleitoral - Marilsa Baptista. O acusado foi notificado na segunda-feira (17) e deve fazer a defesa em cinco dias, a contar da data da notificação, segundo a chefe do Cartório Eleitoral - Rubia Bacin Corso.

Marcos Volpato deve participar normalmente da solenidade de diplomação, na Câmara Municipal, dia 15 de dezembro, 19h e deve ser empossado normalmente em seu cargo, no dia primeiro de janeiro.

O processo, segundo o promotor de Justiça, Luiz Gustavo camacho Tersariol, em tramitação, só deverá ter tramite mais rápido a partir de março de 2009. Além do servidor público Marcos Volpato, o processo deve ser respondido pelos co-autores José Francisco da Silva e Josefa Pereira Barros. Todos os três podem receber multas de 1 mil UFIRs, e Marcos, além da multa, pode ter a cassação do registro de candidatura ou do diploma, e se já estiver emposado, pode perder o cargo, ao final do trâmite (transitado e julgado).

A DENÚNCIA
De acordo com a denúncia de Apolônio, feita no dia 21 de outubro, aproximadamente 20 dias antes da eleição, começou a observar com atenção as visitas freqüentes que Marcos Volpato estava fazendo ao conjunto habitacional Harry Amorim Costa, do qual ele era o presidente afastado da Associação de Moradores.

Apolônio então resolveu levar a eleitora Margarida Ricardo da Silva até a Promotoria de Justiça e ela informou, em depoimento, que seu filho Jair, cerca de 30 dias antes da eleição, teria sido aliciado para "arranjar votos" em troca de R$ 30, caso não houvesse a eleição do candidato do PP, ou de R$ 40 caso Marcos Volpato fosse eleito.

Além disso, o MPE recebeu uma denúncia anônima, via telefone, na qual houve a informação de que "na segunda-feira (21) pela manhã, entre 7h30 e 10h, na Câmara Municipal, estarão sendo pagos alguns dos milhares de votos comprados pelo vereador Marcos Volpato... Ao preço de R$ 30 e de R$ 50, é só entrar na fila e pegar o dinheiro".

Apolônio acusa que Josefa Pereira Barros oferecia dinheiro (R$ 30 ou R$ 50), em troca de votos, e segundo os autos, o pagamento não foi realizado para muitos que esperavam receber o dinheiro, conforme havia sido combinado.

De acordo com o processo, era Josefa que anotava os nomes dos contactados e os números dos documentos pessoais (incluindo títulos de eleitores), em um caderno de tamanho pequeno, na frente do eleitor, "para dar a falsa impressão de que haveria verificação posterior e que o candidato saberia em quem ele ou ela teria votado".

A pedido da Justiça Eleitoral, a Polícia Federal (PF) entrou no caso, cumprindo um mandado de busca e apreensão, na casa de Josefa, na rua Emília Buss, no conjunto Harry Amorim Costa e nas dependências do gabinete do servidor público da Câmara Municipal - Marcos Volpato, que teve vistoriado também o seu veículo (GM S-10, cor branca) e sua residência, na área central da cidade.

Na busca e apreensão, a PF encontrou dois cadernos, com relação de eleitores e as anotações referentes a os seus dados pessoais (incluindo número de títulos e das seções em que eles votam).

O promotor eleitoral Luis Gustavo Camacho Tersariol disse que ao contrário do que se comenta na cidade de Naviraí, não há mais tempo para que alguém consiga evitar as posses do vereador eleito Marcos Volpato (PP) e da vereadora reeleita - Leila Matos (PDT), que devem responder seus processos como detentores de mandato. (Com informações do Sul News)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS