Campo Grande Quarta-feira, 22 de Maio de 2024



Economia Quinta-feira, 04 de Dezembro de 2008, 17:02 - A | A

Quinta-feira, 04 de Dezembro de 2008, 17h:02 - A | A

MMX e Rio Tinto garantem manutenção de atividades em MS

Da redação (LM)

Os representantes das mineradoras Rio Tinto e MMX, ambas instaladas em Corumbá, garantiram nesta quinta-feira ao presidente da Fiems, Sérgio Longen, a manutenção da operação em Mato Grosso do Sul apesar da crise financeira mundial. Enquanto a Rio Tinto assegurou a manutenção do seu plano de expansão, ao custo de Us$ 2,5 bilhões, a MMX assegurou que a suspensão das suas atividades é no máximo por quatro meses.

Proveniente de uma reunião técnica no Rio de Janeiro (RJ), o gerente-administrativo da Rio Tinto em Corumbá, Nilton Guimarães de Oliveira, informou que os funcionários entrarão em férias coletivas no próximo dia 22 de dezembro, com retorno no dia 21 de janeiro do próximo ano, dentro de uma programação pré-estabelecida.

Nilton de Oliveira garantiu que manutenção do projeto de expansão da mina de minério de ferro em Corumbá, vai aumentar a capacidade anual em mais de seis vezes, com a nova produção iniciando no quarto trimestre de 2010. Também está mantida a construção dos dois novos portos juntamente com a infra-estrutura necessária para conectar a cadeia de fornecimento nos 2,5 mil quilômetros da hidrovia, empregando cerca de 2 mil pessoas até 2010.

Já Evandro Barbosa, gerente de Relações Institucionais da MMX em Corumbá, explicou que a empresa adotou a suspensão temporária do contrato de trabalho com os funcionários, mantendo os vínculos empregatícios de todos os empregados, exatamente porque vai retomar suas atividades. No caso dos trabalhadores da mineração a suspensão será por por dois meses, enquanto para os do setor de siderurgia será por quatro meses, sendo que todos continuarão recebendo os salários – parte paga pelo FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) e parte pela empresa.

Para o presidente da Fiems, as posições das duas mineradoras chegam em boa hora, pois ajudam a tranqüilizar o setor produtivo do Estado. Sérgio Longen ainda propôs a realização de um encontro entre a Fiems e representantes das mineradoras para que essas empresas possam melhor interagir com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário de Mato Grosso do Sul. “É muito importante que eles tenham dado provas de que vão continuar investindo no Estado”, alertou. (Com informações da assessoria)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS