Campo Grande Segunda-feira, 24 de Junho de 2024




Economia Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2023, 12:26 - A | A

Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2023, 12h:26 - A | A

Criptomoedas

Criptomoedas mais populares no Brasil no final de 2023

Criptoativos refletem não apenas a evolução tecnológica, mas também as mudanças nas preferências

Da Redação
Capital News

Reprodução

Criptomoedas mais populares no Brasil no final de 2023

Mercado de criptomoedas no Brasil ganhou destaque com projetos notáveis

Em 2023, o cenário das criptomoedas no Brasil revelou uma dinâmica fascinante, marcada por tendências emergentes e um crescente interesse dos investidores. Neste contexto, exploramos as criptomoedas que se destacaram no país. Em resumo, esses criptoativos refletem não apenas a evolução tecnológica, mas também as mudanças nas preferências e estratégias dos investidores brasileiros. Este artigo mergulha nas particularidades desse mercado vibrante e em constante evolução.

Tendências do mercado de criptomoedas no final de 2023
No final de novembro 2023, o mercado de criptomoedas no Brasil ganhou destaque com projetos notáveis, conforme informações da CoinGecko.com. O Cybertruck tornou-se o projeto mais popular entre os brasileiros, com a cotação de sua criptomoeda impressionantemente valorizada a US$ 0,00683028. Em paralelo, a criptomoeda Baby Grok atraiu atenção pelo seu valor extremamente baixo, cotada a US$ 0,000000000014683. Além destes, o SwissCheese (SWCH) também se destacou no mercado, sendo negociado a US$ 0,770007. Esses projetos refletem uma dinâmica interessante e diversificada no cenário brasileiro de criptomoedas.

É interessante notar o crescimento de chart roulette (CR), cotado a US$ 0,00260932, e GROK, com US$ 0,02265258, que se mostraram projetos promissores. Solidus Ai Tech, uma inovação no campo de inteligência artificial aplicada às criptomoedas, teve um preço de US$ 0,02625292, evidenciando a evolução tecnológica no setor.

Além dessas novidades, Bitcoin continuou forte. No momento da redação deste artigo, era negociado a US$ 41.772, em uma demonstração de resiliência e confiança dos investidores neste ativo. Polygon e Ethereum (ETH) também mantiveram posições importantes no mercado, com valores de US$ 0,769764 e US$ 2.072,68, respetivamente.

Esses projetos de criptomoeda em dezembro refletem a dinâmica e a diversidade do mercado brasileiro. Ou seja, mostram que, além dos gigantes estabelecidos, há espaço e interesse por novas ideias e tecnologias no mundo de cripto. É um claro sinal do amadurecimento e da ampliação do mercado de criptomoedas no Brasil, abrindo caminhos para inovações e oportunidades de investimento.

Criptomoedas em ascensão no Brasil
No Brasil, a adoção da stablecoin Tether (USDT) cresceu significativamente em 2023, representando 80% de todas as transações de cripto. Transações de USDT alcançaram 271 bilhões de reais até outubro, superando o volume do Bitcoin, que foi de R$ 151 bilhões. As stablecoins são criptomoedas com valor estável, geralmente atreladas a moedas fiduciárias, como o dólar americano e o real brasileiro.

O interesse por USDT no Brasil aumentou desde 2021, ultrapassando o Bitcoin em julho de 2022, durante a crise do setor de cripto. Em 2022, o volume total de transações de cripto caiu quase 25%, fechando em R$ 154,4 bilhões.

A Receita Federal utiliza inteligência artificial e análise de rede para monitorar transações de cripto, detetando atividades suspeitas e localizando negociadores.
Além disso, a agência fiscaliza investimentos de cripto de brasileiros no exterior. Desde 2019, exchanges no Brasil devem reportar transações de usuários ao governo. Ganhos de capital em vendas cripto acima de R$ 35 000 mensais são tributados progressivamente, de 15% a 22,5%.

Esse panorama reforça a crescente importância das criptomoedas no cenário econômico brasileiro, destacando a necessidade de uma abordagem regulatória equilibrada para garantir transparência e segurança no mercado. A evolução deste setor sinaliza um futuro rico e promissor para a integração de criptomoedas na economia digital brasileira. 

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS