Campo Grande 00:00:00 Terça-feira, 23 de Julho de 2024


Política Quarta-feira, 31 de Maio de 2023, 11:27 - A | A

Quarta-feira, 31 de Maio de 2023, 11h:27 - A | A

Mais um ano

PGR quer afastar conselheiros do TCE-MS por mais um ano

A solicitação foi feita pela vice-procuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo

Viviane Silva
Capital News

Divulgação/TCE-MS

STJ julga hoje recurso envolvendo conselheiros afastados do Tribunal de Contas

Iran Coelho, Waldir Neves e Ronaldo Chadid

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu para que sejam prorrogados por mais um ano os afastamentos dos três conselheiros do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul (TCE-MS) investigados pelos crimes de fraude a licitação, apropriação de dinheiro público, falsidade ideológica e falsificação de documentos.

 

Os três conselheiros denunciados são os ex-presidentes Waldir Neves e Iran Coelho das Neves e o ex-corregedor Ronaldo Chadid. Os conselheiros foram denunciados pela vice-procuradora geral da República, Lindôra Maria Araújo.

 

Entenda o caso

 

Operação da Polícia Federal no TCE, afastou por 180 dias e colocou tornozeleira nos conselheiros. A operação mira uma organização criminosa especializada em fraudes de licitações e desvio de recursos públicos. Os alvos foram identificados durante quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico na Operação Mineração de Ouro.

 

Os valores eram creditados em contas de pessoas jurídicas, que atuavam como laranjas, mas não tinham como justificar a quantidade de depósitos. Saques sem rastreabilidade dos favorecidos também dificultavam a identificação do caminho do dinheiro desviado.

 

As investigações apuraram uso de pessoas jurídicas vinculadas à participação no certame para contratação de empresas com licitações fraudulentas. Entre as estratégias utilizadas para vencer as licitações, os investigados agiam com rapidez incomum na tramitação do procedimento, exigência de qualificação técnica desnecessária ao cumprimento do objeto, contratação conjunta de serviços completamente distintos em um mesmo certame e apresentação de atestado de capacidade técnica falsificado.

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS