Campo Grande 00:00:00 Terça-feira, 23 de Julho de 2024


Legislativo Quinta-feira, 09 de Novembro de 2023, 12:45 - A | A

Quinta-feira, 09 de Novembro de 2023, 12h:45 - A | A

Senadores

Conheça os cinco tributos que sofreram alterações na Reforma Tributária

PEC da Reforma Tributária agora segue para a Câmara e deverá ser votada até o fim do ano

Juliana Brum
Capital News

A reforma tributária (PEC 45/2019) venceu mais uma etapa nesta quarta-feira (8). O Plenário do Senado aprovou a proposta em dois turnos de votação, com 53 votos favoráveis e 24 contrários e nenhuma abstenção. Eram necessários 49 votos favoráveis (3/5 da composição da Casa).

Agora a PEC segue para aprovação dos deputados Federais com as alterações feitas no Senado. A economia do país espera por esta reforma há mais de 30 anos e dentro das alterações feitas no Senado estão a substituição de cinco tributos (ICMS, ISS, IPI, PIS e Cofins) por três: Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e Imposto Seletivo (IS). A proposta segunda Agência Senado, declara que também prevê isenção de produtos da cesta básica e uma série de outras medidas.

• Leia também:
Dois senadores de Mato Grosso do Sul foram contrários e um favorável a PEC da Reforma Tributária

Cashback

Com o objetivo de reduzir as desigualdades de renda, o texto também prevê a devolução de parte do imposto pago pelos consumidores, o chamado “cashback”. A medida vale para famílias de baixa renda e inclui o consumo de gás, de energia elétrica e outros produtos.

Trava

A fim de impedir o aumento da carga, o texto prevê uma "trava" para a cobrança de impostos sobre o consumo, ou seja, um limite que não poderá ser ultrapassado. De acordo com o texto apresentado pelo senador, o limite para a carga tributária será a média de 2012 a 2021, na proporção com o Produto Interno Bruto (PIB), representada pelas receitas com PIS/PASEP, COFINS, IPI, ISS e ICMS.

Guerra Fiscal

Com a reforma, a cobrança de impostos deixará de ser feita na origem (local de produção) e passará a ser feita no destino (local de consumo). A mudança visa dar fim à chamada guerra fiscal — a concessão de benefícios tributários por estados com o objetivo de atrair investimentos.

“Imposto do Pecado”

Diferentemente do IBS, o Imposto Seletivo (IS), também conhecido como "imposto do pecado", funcionará como uma espécie de “taxa extra” sobre bens e serviços prejudiciais à saúde e ao meio ambiente. É o caso de cigarros e de bebidas alcoólicas.

Compensação

O Fundo Nacional de Desenvolvimento Regional (FNDR) é um dos instrumentos incluídos na PEC para reduzir discrepâncias entre os estados brasileiros. Os recursos do fundo serão aportados anualmente pelo governo federal. De R$ 8 bilhões em 2029, os valores devem chegar a R$ 60 bilhões em 2043. Do total, 30% serão distribuídos para os estados por critério populacional e 70% com base em um coeficiente de sua participação no Fundo de Participação dos Estados (FPE).

O dpeutado federal e líder da bacada do MS, Vander loubet já anunciou que terão inúmeras conversas para que o Estado não seja prejudicado.  

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS