Campo Grande Quarta-feira, 29 de Maio de 2024


Educação Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008, 08:57 - A | A

Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008, 08h:57 - A | A

Professores discutem com Puccinelli a Lei do Piso

Lucia Morel - Capital News

Em reunião que durou mais de duas horas ontem, entre representantes da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) e o governador André Puccinelli, na governadoria, os professores pediram que André retirasse seu nome da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) que reprova a Lei do Piso que institui em R$ 950 os piso salarial dos professores.

Segundo o governador isso não é possível porque “o documento é uma decisão política de meu partido”. Por outro lado, o governador afirmou que se o Superior Tribunal Federal reprovar a Adin, o governo estadual terá de acatar a decisão. O documento protocalado no STF foi assinado ainda pelos governos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Ceará.

Além de pedirem a retirada do nome de André da Ação, os trabalhadores ainda apresentaram ao governador a relação de quanto as novas medidas da lei influenciariam nos cofres estaduais. Segundo a categoria, de R$ 41 milhões gastos hoje com o magistério, esse valor saltaria para R$ 47 milhões, ou seja, R$ 6 milhões a mais do Estado, fora a contratação de novos 1,9 mil professores.

E é justamente aí que ocorre a maior dificuldade das negociações, uma vez que essas novas contratações seriam obrigatórias com a entrada em vigor da nova lei, já que esta prevê um terço da carga horária de trabalho dos professores em atividades fora da sala de aula, como planejamento e correção de provas. Para Puccinelli, essa medida é exagerada. "Sou cirurgião e não preciso de 14 horas para planejar uma cirurgia", compara.

Atualmente, o tempo dedicado a atividades fora de sala é de 20%. “O professor vai ter mais tempo para o planejamento e vai melhorar a qualidade do ensino”, defende o presidente da Fetems, Jaime Teixeira.

A reunião terá continuação no dia 28 deste mês, já que o governador ficou de analisar a planilha apresentada.
 

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS