Campo Grande Terça-feira, 16 de Abril de 2024


Economia Segunda-feira, 22 de Junho de 2015, 15:32 - A | A

Segunda-feira, 22 de Junho de 2015, 15h:32 - A | A

logística

Governo traça metas com Rumo ALL para uma ferrovia competitiva

Governador Reinaldo Azambuja se reuniu com representantes da empresa para traçar metas de investimentos em Mato Grosso do Sul

Alberto Gonçalves
Capital News

Chico Ribeiro/Secom MS

reunião governo e rumo all sobre ferrovia em MS

Presidente da Rumo ALL, Júlio Fontana e governador Reinaldo Azambuja

O governo do Estado se reuniu novamente nesta segunda-feira (22) com a empresa Rumo ALL, para a apresentação e discussão do Pacto Pelo Desenvolvimento da Rede Ferroviária, que foi acordada entre ambos no dia 11.

De acordo com a assessoria do governo de MS, o governador Reinaldo Azambuja durante o encontro foram apresentados os estudos e as condições da ferrovia que o Grupo Cosan (Rumo Logística) herdou com a fusão com a América Latina Logística (ALL) e que já foi estipulado um prazo de 60 dias para apresentação de um projeto. “No dia 24 de agosto vamos apresentar os investimentos necessários e os passos que daremos para que Mato Grosso do Sul tenha uma ferrovia competitiva e viável”, disse.

Ainda segundo Reinaldo, o mais importante é que o estudo irá mostrar a cada parceiro o compromisso de cada um, ou seja, do Governo Federal, da bancada, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), do Estado e da Rumo ALL com a iniciativa privada.

A previsão é de que a Rumo realize os estudos de investimentos e o Estado faça o licenciamento ambiental de alguns trechos que necessitem de desapropriação para retificação do traçado da ferrovia.

Para o presidente da Rumo, Júlio Fontana, ferrovia só existe se há movimentação e Mato Grosso do Sul é um estado sempre viável para a empresa, pela economia forte. “A única questão é que atualmente temos um problema geográfico de concentração de carga no sul do Estado. O que torna mais fácil e barato ir de caminhão até o Paraná e exportar pelo Porto de Paranaguá, mas se houver a possibilidade de vir para Campo Grande e usar a ferrovia que está disponível obviamente que isso será feito”, ponderou.

Ainda segundo Fontes atualmente transporta-se celulose em maior quantidade que anteriormente, o transporte de minério continua normal, mas o único produto que não trafega por questão de segurança é o combustível. “Pela condição da malha e não vamos colocar em risco a população nem o meio ambiente”, explicou.
O encontro aconteceu na Governadoria e teve a participação de representantes da bancada federal e dos senadores Simone Tebet e Waldemir Moka.

Rumo ALL e MS

O Governo do Estado luta contra a desativação das linhas ferroviárias em Mato Grosso do Sul, a redução das atividades e de uma possível quebra de contratos, advindos da fusão da Rumo com a ALL, concessionária responsável pelo trecho ferroviário Corumbá/MS – Bauru/SP.

A linha Corumbá/MS – Bauru/SP é um importante eixo logístico para escoamento da produção de Mato Grosso do Sul, especialmente para as commodities de minério de ferro, complexo de soja e complexo de celulose e para o transporte de combustíveis.

Atualmente, a empresa já demitiu 20% do quadro de trabalhadores do setor no Estado e transferiu funcionários para outras regiões. Enquanto alega que o andamento da ferrovia sul-mato-grossense depende da demanda de produtos, a Rumo ALL anunciou no início deste mês um investimento de R$ 2 bilhões na malha ferroviária do Paraná, nos próximos cinco anos.

Saul Schramm/Portal MS

Implantação de novas ferrovias de MS deve começar até 2024

Implantação de novas ferrovias de MS deve começar até 2024

Comente esta notícia


Colunistas LEIA MAIS