Campo Grande Quinta-feira, 30 de Maio de 2024


Economia Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008, 10:06 - A | A

Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008, 10h:06 - A | A

Apesar de crise, compras de Natal vão injetar R$ 36 milhões no comércio da Capital

Lucia Morel - Capital News

Apesar da crise econômica que assola grande parte do mundo e já deu “as caras” no Brasil, o consumidor campo-grandense avalia o ano de 2008 como melhor financeiramente que em 2007. O resultado é da pesquisa do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Anhanguera/Uniderp que revelou ainda que as compras de Natal vão despejar no comércio de Campo Grande, aproximadamente, R$ 36 milhões, quase 20% da folha de pagamento do Governo do Estado.

Com essa “sobra” financeira, a população já faz seus planos para 2009, sendo que 14% pretendem fazer uma viagem de férias, outros 14% querem comprar um carro, 11% querem comprar uma casa e outros 9% pretendem pagar a faculdade.

"Mesmo com os tropeços, o caos econômico mundial e as notícias de recessão que assolam o comprador, 69% deles declaram que 2008 foi melhor financeiramente que o ano de 2007”, afirma o coordenador da pesquisa, professor José Francisco dos Reis Neto.

Além disso, a pesquisa de Natal mostrou que o 13º surge neste período do ano como um rendimento extra que será usado principalmente para o pagamento de dívidas em atraso (44%). Dos entrevistados, 13% irão poupar parte do dinheiro e 12% irão às compras para presentes de Natal. “Os 31% restantes poderão usar o 13º salário em viagens, compra de bens duráveis (casa, carro, moto) ou ainda não sabem o que fazer com ele (6%)", ressalta o coordenador do Nepes professor Celso Correia de Souza.

Outro dado revelado pela pesquisa é de que este ano, o campo-grandense está menos endividado, já que na mesma pesquisa de 2007, o índice de pessoas que pretendiam pagar contas em atraso era de 53%. "Se compararmos com a pesquisa de Natal de 2007, 53% dos que receberam o 13º salário disseram que iriam pagar débitos atrasados, mostrando que agora o trabalhador está um pouco menos endividado do que no ano passado”, destacou Souza.

No entanto, diminuiu o número de pessoas que pretendem usar o 13º para as compras de Natal, saindo de um índice de 20% de intenção em 2007 para 12% este ano.

Houve queda também na intenção de compras de Natal, independente do uso do 13º. Este ano 51% dos campo-grandenses pretendem comprar presentes. Ano passado esse índice era de 58%.

Pechinchas
Segundo o Nepes, este Natal será de pechinchas e descontos. O consumidor, conforme a pesquisa, está mais cauteloso e pretende pagar à vista suas compras, utilizando-se dos benefícios do pagamento nessa modalidade.” Esta forma de pagar os presentes diminui o risco de inadimplência do comércio, mas o comprador quer desconto", pontua o coordenador da pesquisa.

Também pode-se afirmar que, aqueles que não forem comprar à vista, devem pagar em poucas parcelas. "Se a escolha do comprador for de pagar em parcelas, quase 32% poderão pagar em até 4 parcelas, mas 34% optam por 5 a 7 parcelas. Preço mais barato e parcelado sem juros vai ser a escolha do comprador, independente da faixa de renda familiar”, acrescenta Reis.

O centro de Campo Grande continua sendo o local preferido para as compras de Natal, com 56% de adesão. O Shopping Campo Grande é escolhido por 22% dos consumidores, principalmente para aqueles das classes econômicas A e B. Os supermercados são escolhidos por 7% e o camelódromo por outros 6% dos compradores.

E quanto aos presentes escolhidos, nada muda com relação ao Natal do ano passado, já que as preferências permanecem quase que as mesmas. A intenção de se comprar roupas é de 26%, acessórios 10%, calçados 8% e celulares 6%. Outros 18% dos consumidores pretendem comprar brinquedos, 8% perfumes, 4% eletrodomésticos e 2% eletroeletrônicos.

A maioria da população pretende fazer as compras de Natal às vésperas dos dia 25, assim, os lojistas do centro da cidade e do Shopping devem estar preparados para receber os compradores. 

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS