Campo Grande Segunda-feira, 27 de Maio de 2024


Política Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008, 10:06 - A | A

Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008, 10h:06 - A | A

Partidos vão à caça dos infiéis das eleições 2008

Da Redação (JG)

Passada a eleição municipal, grandes partidos deram início a "expurgos" de políticos considerados infiéis durante a campanha. Na Paraíba e em Goiás, ao menos 15 membros já foram expulsos do PT por terem dado apoio a outros partidos.

Em Campina Grande (PB), por exemplo, a participação na campanha do candidato tucano à prefeitura gerou a expulsão de oito filiados, que ainda recorrem da decisão.

No PT goiano, sete filiados foram expulsos e ao menos outros sete foram suspensos por apoio a adversários. Em Mato Grosso do Sul, um diretório municipal do interior abriu processo contra o ex-governador Zeca do PT por ele ter apoiado uma coligação adversária na cidade. O diretório estadual arquivou o pedido.

A participação de petistas na campanha de candidatos de uma coligação não aprovada pelo partido é considerada infração ética e disciplinar pelo estatuto da sigla, que prevê punições que vão até a expulsão.

Entre tucanos, o secretário dos Esportes da cidade de São Paulo, Walter Feldman, também teve sua saída pedida do partido por apoiar Gilberto Kassab (DEM) no primeiro turno. O caso ainda tramita.

Em Santa Catarina, o deputado estadual Nilson Gonçalves também teve a expulsão pedida por supostamente ter agido contra decisão partidária na eleição. Um dos fundadores do partido em Joinville --maior cidade catarinense--, Reinaldo Gonçalves diz que o deputado "traiu" o PSDB ao "falar mal" de colegas em público.

"Aqui só vão ficar tucanos de bico amarelo. Vou pedir ainda a expulsão de outros dois. Agora que o PT venceu as eleições, pelo menos 20 tucanos já saíram abraçados com o Carlito Merss [prefeito eleito pelo PT]", diz.

O deputado afirma que os colegas o "elegeram" culpado pela derrota e que não será expulso.

Em Goiás, expulsões no PT foram decididas no último dia 6. Membro da comissão de ética do PT no Estado, Edilberto de Castro Dias classifica a decisão como "histórica" e diz que os partidos agirão com mais rigor após decisões do TSE e do STF que estabeleceram que o mandato pertence ao partido e punem a troca. "Cortamos em nossa própria carne", afirmou.

Itamar Paes Sousa, secretário de organização do PT em Goiás, diz que as atitudes são " importantes para a afirmação" dos partidos. "A expulsão é decisão difícil. Muitos são fundadores, mas, muitas vezes, se sentem maiores que o partido." (Folha On Line)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS