Campo Grande 00:00:00 Quinta-feira, 25 de Julho de 2024


Executivo Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 16:57 - A | A

Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 16h:57 - A | A

Nacional

No Mato Grosso, Simone Tebet apresenta Rota de Integração Sul-Americana que corta o Estado

Ministra diz que, em quatro anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia

Rogério Vidmantas
Capital News

Álvaro Rezende/Governo MS

Planta da JBS em Campo Grande dobrará número de trabalhadores com exportações para China

Simone Tebet liderou visita de ministros à Cáceres, no Mato Grosso

A ministra de Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, apresentou nesta sexta-feira (21), em Cáceres (MT), a Rota Quadrante Rondon, uma das cinco Rotas de Integração Sul-Americana. A proposta do Governo Federal é que o Brasil possa aumentar o comércio com países vizinhos por meio de rotas mais curtas e logisticamente menos custosas, diante da força das exportações e importações do país com a Ásia.

Tebet estava acompanhada pelos ministros Carlos Fávaro, da Agricultura e Pecuária, e Waldez Góes, da Integração e do desenvolvimento Regional. “Temos cinco rotas para apresentar, mas só vou falar da terceira, que é a que interessa a Mato Grosso. Quero dizer, sem medo: uma rota não exclui a outra, uma rota não fragiliza a outra, uma rota não compete com a outra. Pelo contrário. Se eu tivesse levado ao presidente Lula só uma rota, ele colocaria na gaveta e falaria ‘Isso não é projeto de país. A gente não vai conseguir desenvolver o interior do país dessa forma’. Vocês vão ver como uma rota está interligada na outra”, destacou Simone.

Dados do MPO mostram que, entre 2000 e 2023, Mato Grosso saltou do décimo para o quarto lugar entre os principais estados exportadores do Brasil. As vendas externas do estado passaram de US$ 1,7 bilhão para mais de US$ 32 bilhões no período. Em 2023, o complexo soja, o milho, as carnes bovinas e o algodão representaram mais de 90% do total das vendas mato-grossenses. A China é a maior compradora do estado, com 41% do total. Apesar do cenário, Mato Grosso continua escoando cerca de 56% da sua produção pelos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR).

Os números mostram ainda que as importações de Mato Grosso passaram de US$ 158 milhões no ano 2000 para US$ 3,2 bilhões em 2023. O aumento, segundo o ministério, se deve, sobretudo, à importação de adubos, que representaram mais de 70% do total. No período, as importações de fertilizantes pelo estado foram oriundas, principalmente, do Canadá, da Rússia e da China, países banhados pelo Oceano Pacífico, e ingressaram no Brasil pelos portos de Santos e Paranaguá.

“Só tem um jeito de a gente acabar com a desigualdade social, no sentido de diminuir essa desigualdade: diminuir a desigualdade regional. Não é possível os estados do Centro-Oeste e alguns do Norte e mesmo do Nordeste serem estados mais pobres que estados do Sudeste. Diante disso, se eu apresentasse essas rotas há exatos 30 anos, as pessoas iam sair daqui de fininho, ir embora e falar ‘Isso é mera utopia’”, lembrou Simone. “Em quatro anos, todas essas rotas têm condições de já estarem ligando nossos estados à China e à Ásia”, completou.

“Quem produz e está em Mato Grosso sabe do custo que é a logística. Sabe do quanto a logística tira do seu suor, da composição do seu preço”, destacou Waldez Góes. “Com todas essas rotas, o Brasil inteiro será beneficiado. Logicamente que, onde estão mais estruturadas as rotas, os estados como aqui, Mato Grosso, têm a oportunidade de ser mais beneficiados”, concluiu.

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS