Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 23 de Maio de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Terça-Feira, 25 de Janeiro de 2022, 07h:00
Tamanho do texto A - A+

Enquanto a iniciativa privada paga bem, o setor público sofre sem teto salarial

Por Antonio Tuccilio*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

O mercado profissional mudou muito. Não é preciso ser especialista para chegar a essa conclusão. De acordo com levantamento da multinacional Robert Walters, especializada no tema, haverá cada vez mais oportunidades em áreas como tecnologia e marketing. E o salário? A pesquisa aponta que nas funções em alta, como diretor financeiro, a remuneração pode chegar até R$ 70 mil mensais.

Divulgação

Antonio Tuccílio - Artigo

Antonio Tuccílio

 

Claro que estamos falando do setor privado. É diferente. Mas gostaria de fazer uma comparação: o mercado, de modo geral, parece evoluir e sempre se movimentar, mas essa mudança nunca chega para o setor público. É como se os administradores estivessem inertes e, o pior, é que o servidor público que paga o pato. 

R$ 70 mil é muito acima do teto nacional e realidade muito distante para os servidores públicos paulistas, por exemplo, que ainda sonham com um teto salarial estadual. Além disso, importante parcela de servidores não recebe reajuste faz um bom tempo. E, claro, não podemos esquecer dos policiais militares de São Paulo, que há anos reivindicam melhores condições salariais.

Esperamos que os dirigentes levem em consideração que desde o início da pandemia os servidores estão com salários congelados. Após quase dois anos, enfrentamos uma inflação crescente no país, ou seja, o poder de compra do servidor diminuiu. E muito.

 

 

*Antonio Tuccilio

Presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix