Campo Grande Sexta-feira, 24 de Maio de 2024


Economia Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008, 15:53 - A | A

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008, 15h:53 - A | A

Projetos da Petrobras serão reavaliados, diz Gabrielli

Redação Capital News (www.capitalnews.com.br)

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse hoje em entrevista que a companhia está reavaliando todos os seus projetos, caso a caso, diante da nova ótica mundial da crise financeira. Ele disse que não haverá mudança nos cronogramas de licitações previstas para o curto prazo, mas, ao mesmo tempo em que negou que já tenha havido cancelamento de algum projeto, descartou a manutenção dos cronogramas de entrada em operação das unidades previstas a qualquer custo.

"Não vamos aceitar custos altos", disse Gabrielli, citando que os fretes de navios sólidos (transporte de minério), que estavam na casa superior a US$ 200 mil a diária, já estão em US$ 8 mil, e que o aço teve queda de 40%. "Há uma expectativa de que os preços de equipamentos do setor de petróleo também devem cair. Mas não sabemos quanto e quando. Portanto, não vamos contratar equipamentos no pico de preço", disse.

Ele confirmou a possibilidade de vir a suspender licitações, que julgar estar fora da média de preços, e lembrou que os preços das propostas abertas para a P-61 e P-63 na última sexta-feira não refletiram a atual tendência de queda de preços. A Agência Estado antecipou na sexta-feira que a Petrobras deve cancelar pelo menos a encomenda da P-61.

Ainda nesta mesma linha, Gabrielli negou que tenham sido renegociados os contratos para construção e afretamento de 12 sondas de perfuração para o pólo de Tupi. Ele disse que a empresa ainda não foi procurada por nenhum dos fornecedores, que assumiram as encomendas. "Se isso ocorrer, vamos estudar caso a caso".

Segundo ele, especialmente na área de refino, em que a companhia havia anunciado antes da crise a construção de quatro refinarias no valor de US$ 45 bilhões no total, "todos os projetos estão em fases diferentes de maturação".

Com maior detalhamento, em café da manhã oferecido à imprensa, o diretor de Abastecimento e Refino da estatal, Paulo Roberto Costa, destacou que as unidades do Ceará e do Maranhão - principais alvos do mercado financeiro como potenciais investimentos suspensos no novo plano estratégico da empresa - estão ainda em fase inicial. "Estamos por enquanto olhando os licenciamentos e os compromissos assumidos pelos governos estaduais", afirmou.

Já a Refinaria do Nordeste, que está sendo construída em parceria com a venezuelana PDVSA, está no momento em fase de negociação dos contratos de entrega do óleo. A refinaria vai processar óleo venezuelano. Sobre o Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro), Gabrielli destacou que há vários projetos correndo paralelamente e que todos serão avaliados sob este novo cenário de custos, que deverão cair "em breve". Segundo ele, "isso ainda não aconteceu, mas há esta expectativa". (G1)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS