Campo Grande 00:00:00 Terça-feira, 23 de Julho de 2024


Agronegócio Domingo, 11 de Fevereiro de 2024, 14:03 - A | A

Domingo, 11 de Fevereiro de 2024, 14h:03 - A | A

Sidrolândia

Inpasa anuncia investimento de mais de R$ 1 bilhão na 2ª fase da fábrica em Sidrolândia

Planta de Sidrolândia é a 4ª unidade da Inpasa no Brasil

Layane Costa
Capital News

Divulgação/Semadesc

Inpasa anuncia investimento de mais de R$ 1 bilhão na 2ª fase da fábrica em Sidrolândia

Obra Inpasa

Visando promover a industrialização com adensamento da cadeia produtiva do milho, o Estado ganha força com o anúncio da Inpasa com um novo investimento de mais de R$ 1 bilhão na 2ª fase da fábrica de Sidrolândia.

A licença foi entregue pelo governador Riedel, juntamente com o secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc) Jaime Verruck ao presidente da Inpasa José Odvar Lopes.

A planta de Sidrolândia é a 4ª unidade da Inpasa no Brasil e já está com as obras na cidade empregando mais de mil trabalhadores. Atualmente o grupo é o maior transformador de cereais em energias limpas e renováveis da América Latina. Com um investimento estimado de mais de R$ 2,2 bilhões, há previsão de geração de mais de dois mil empregos na etapa da obras, além de 350 novos postos de trabalho efetivos, a partir do funcionamento da planta, no segundo semestre de 2024.

Divulgação/Semadesc

Inpasa anuncia investimento de mais de R$ 1 bilhão na 2ª fase da fábrica em Sidrolândia

Autoridades

Na fase operacional são 350 empregos diretos e no pico da obra vai chegar a 2 mil. A previsão é de ter uma capacidade produtiva de 800 milhões de litros de etanol, 450 mil toneladas de DDGS, 44 mil toneladas de óleo e 400 GWH de energia elétrica (anual). A operação deve começar em outubro deste ano.

Também estão previstos investimentos na instalação do posto de combustível e centro de serviços da Rodobras, com previsão de 110 empregos diretos e 60 indiretos.

“A Inpasa segue a linha estratégica definida pelo Governo para industrialização do Estado. Faz o processamento das nossas matérias-primas e assim encaixa na nossa lógica, que é agregar valor ao produto, além de gerar energia limpa. Aqui tem carbono neutro na sua origem. Temos que agradecer a empresa por confiar no Estado”, enfatizou.

Segundo o vice-presidente da empresa, Rafael Ranzolin, a fábrica representa um importante fomento na produção agrícola local. “Nossa meta é potencializar alternativas de cultivo de segunda e terceira safra, além de estimular o desenvolvimento de outros setores, empregos e renda para toda a região”, frisou.

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS