Campo Grande 00:00:00 Quinta-feira, 18 de Julho de 2024


Agronegócio Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 08:57 - A | A

Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 08h:57 - A | A

Geração de emprego

Empregos no setor florestal posicionam Mato Grosso do Sul como líder em contratações na área

Em abril, saldo de empregos gerados pelo setor foi de 288 novas vagas

Juliana Rezende
Capital News

João Carlos Castro/Sistema Famasul

Empregos no setor florestal posicionam MS como líder em contratações

Plantação de florestas tem se destacado como uma das mais promissoras na geração de emprego

O crescimento econômico registrado em Mato Grosso do Sul nos últimos meses tem refletido na geração de empregos. De acordo com o Sistema Famasul, o Estado tem se tornado um polo de atração de novos empreendimentos no setor agropecuário, e a produção florestal tem sido o setor que mais cresce com novas instalações industriais, sendo as mais recentes em Ribas do Rio Pardo, com a Suzano, e em Inocência, com a Arauco.

A expansão, de acordo com a Federação, é o resultado de uma demanda global aquecida por produtos florestais, em especial a celulose e o papel, e pelo baixo impacto ambiental. Na recente publicação do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), os dados mostram que Mato Grosso do Sul é líder no país em geração de empregos nesse setor.

“Na análise de empregos do setor florestal, Mato Grosso do Sul apresenta o maior saldo de empregos gerados em abril, com 288 novas vagas, comparado aos demais Estados brasileiros. E quanto ao estoque total de emprego no setor florestal, MS se encontra na 4ª colocação nacional com 15.006 postos de empregos. Esses números é um reflexo da economia do estado aquecida, com atração de novos investimentos, em especial com a produção de papel e celulose”, explicou Jean Américo, analista econômico do Sistema Famasul.

Entre admissões e demissões, houve um saldo de 288 posições em abril. Além disso, MS está em 4º no ranking de estoque de empregos no setor, que é qualquer relação empregatícia mantida com o empregador durante o ano-base. O fato de novas indústrias estarem chegando ao estado, demandam maiores áreas de cultivos, impactando diretamente na geração de empregos, tanto na área industrial como na implementação de novos cultivos nas propriedades rurais.

De acordo com os dados do Caged para o mês de abril, o número de empregos do setor da agropecuária apresentou saldo negativo. O cultivo de soja apresentou saldo de (-279), o cultivo de cereais (-176), a produção de sementes certificadas (-162) e atividade de apoio à agricultura.

“Boa parte dos desligamentos realizados no mês, foram feitos pela produção de lavouras temporárias. Associado a este mesmo período, no estado ocorre a finalização da colheita de grãos, como a soja. Outro aspecto importante, é que nesta safra 2023/2024, ocorreu uma quebra de 17% na produção de soja e a expectativa é que a safra de milho a queda seja de 19%. Essas reduções de produção de grãos no estado, impactam na manutenção de empregos em MS”, conclui Jean.

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS