Campo Grande Quinta-feira, 23 de Maio de 2024



Nacional Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008, 15:31 - A | A

Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008, 15h:31 - A | A

Maior taxa de analfabetismo está entre mulheres negras

Redação Capital News (www.capitalnews.com.br)

Apesar de as políticas educacionais implementadas nos últimos 15 anos terem resultado em melhorias significativas nos indicadores sociais, a população negra ainda sofre com as desigualdades e enfrenta maiores dificuldades para o acesso ao ensino e a permanência na escola. A analise faz parte do estudo Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, divulgado hoje (16) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Conforme o levantamento, que tem como base os indicadores da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de analfabetismo dos homens brancos com 15 anos ou mais caiu de 9,2%, em 1993, para 5,9% em 2007. Entre as mulheres brancas da mesma faixa etária, a queda foi de 10,8% para 6,3% no período. Já a taxa de analfabetismo entre as mulheres negras passou de 24,9%, em 1993, para 13,7%, no ano passado.

Em relação ao tempo de permanência na escola, o estudo mostra que também houve melhora em todos os gêneros e raças. No entanto, os negros ainda ficam menos tempo em sala de aula. Conforme o levantamento, em 2007, homens apresentavam uma média de 7,1 anos de estudo, contra 7,4 anos para as mulheres. Entre os brancos, a média era de 8,1 anos de estudo e entre os negros, de 6,3 anos.

O estudo Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça foi é elaborado pelo Ipea em parceria com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e o IBGE. (Agência Brasil)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS