Campo Grande/MS, Quinta-Feira, 29 de Outubro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Sábado, 04 de Julho de 2020, 11h:37
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Projeto de Lei prevê que Brasil proíba venda de carros à gasolina e diesel em 2030

Por Raphael Granucci

Da coluna Viagens
Artigo de responsabilidade do autor

Proposta visa diminuir a emissão de gases poluentes

Divulgação

ColunaViagens

O Projeto de Lei do Senado Nº 304/2017, de autoria do senador Ciro Nogueira (PP-PI), prevê que, a partir do dia 1º de janeiro de 2030, nenhum veículo novo movido a combustível fóssil, como gasolina ou diesel, poderá ser vendido no Brasil.


A explicação para a sugestão foi que a queima de combustíveis fósseis feita por carros é responsável por um sexto dos gases tóxicos, como o dióxido de carbono, que chegam à atmosfera e promovem o efeito estufa.


Por esse motivo, o projeto permite apenas a produção e venda de novos carros movidos a fontes de energia mais limpas, como a elétrica e os biocombustíveis, como etanol.


Há ainda a proposta de que, a partir de 2040, a circulação de qualquer veículo movido a combustão seja proibida, exceto carros de colecionadores, veículos oficiais ou diplomáticos e automóveis de turistas


O Brasil deve aderir a essa modernização, seguindo países como Reino Unido e França, que também planejam esse tipo de proibição em 20 anos.


“O Brasil não pode ficar à margem desta discussão, já que a indústria automobilística aqui instalada tem todas as condições de produzir automóveis tão avançados quanto os usados no exterior”, conclui o senador Ciro Nogueira.


Dentro do país, o  mercado já oferece soluções para que medidas como essa sejam tomadas e os cidadãos possam se adaptar com mais facilidade a essas mudanças em prol do meio ambiente. Um destes novos serviços práticos é o aluguel de carros sustentáveis.


A startup beepbeep é uma das marcas que já mostram fortes iniciativas no cenário sem combustíveis fósseis, com a promoção de serviços diretos ao consumidor, como locação, através de app, de veículos movidos à energia elétrica.


Isso porque o cenário ideal para a saúde das grandes cidades é o transporte público eficiente e o uso de meios de locomoção individuais apenas em cenários específicos e realmente necessários, nos quais seria utilizar o automóvel por pouco tempo e depois devolvê-lo.


A empresa investiu inicialmente R$ 3 milhões para que o aplicativo pudesse oferecer dez carros Renault Zoe. Atualmente, é cobrado o valor de R$ 4,90, além de R$ 0,60 por minuto – o valor de uso diminui conforme o período de utilização do carro aumenta.


A proposta da marca é que sejam implantados na cidade 70 estacionamentos parceiros em supermercados, centros comerciais, condomínios corporativos e hotéis, onde os carros serão retirados, devolvidos e recarregados.

 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix