Campo Grande 00:00:00 Sexta-feira, 19 de Julho de 2024


Reportagem Especial Domingo, 30 de Junho de 2024, 10:31 - A | A

Domingo, 30 de Junho de 2024, 10h:31 - A | A

Reportagem Especial

Por onde andam as benzedeiras?

Com dom da benção, elas cumprem um importante papel no tratamento da saúde

Renata Santos Portela
Especial para o Capital News

Acervo Pessoal

Por onde andam as benzedeiras?

A benzedeira é uma das poucas pessoas, no bairro Piratininga em Campo Grande

Está com quebrante? Mau olhado? Espinhela caída? Quem é do interior, provavelmente, já ouviu essas expressões e, na sequência, um conselho: é melhor se benzer. O costume foi, por muito tempo, o único recurso de cura para muitas pessoas, especialmente para as mães que costumavam levar seus filhos.

No entanto, hoje, encontrar uma benzedeira não é comum como já foi há anos, é como encontrar “agulha no palheiro”, não é mesmo? Mas o Capital News encontrou por acaso, a dona Maria.

Com as plantas ao redor, uma guia de proteção no pescoço e muita reza ela resiste ao tempo e, na sua casa, faz o ritual de benzimento. Aos 71 anos, a aposentada dedica três dias da semana para atender pessoas de todas as idades que buscam equilíbrio do corpo e da mente e a cura de males como vento virado, mau olhado, etc..

A pessoa tem que ter fé, coração aberto. Sem isso, não dá certo

Confundida com feiticeira, a benzedeira é uma das poucas pessoas, no bairro Piratininga em Campo Grande, que dedica seu tempo ao próximo e com um detalhe importante: sem cobrar nada por isso. No entanto, ela afirma que para atingir o que a pessoa busca, não depende só dela. “A pessoa tem que ter fé, coração aberto. Sem isso, não dá certo”, garante.

De acordo com a literatura, o benzedor, curador ou rezador é uma atividade, considerada destinada a curar uma pessoa doente, aplicando sobre ela gestos acompanhados por alguma erva e ao mesmo tempo em que se aplica uma prece. Trata-se de um importante elemento da cultura popular do Brasil.

Já realizei a cura de uma pessoa na Argentina, pelo aplicativo no celular

A dona Maria recebe pessoas de diferentes classes sociais, profissões e origens, anônimas na sua casa. “Vem gente de todos os lugares e as motivações também são variadas. Já realizei a cura de uma pessoa na Argentina, pelo aplicativo no celular”, detalha.

Ela nos conta que descobriu o ofício quando jovem ao visitar um centro espírita. No início, resistiu ao dom por medo e por achar que não era de Deus. Depois, entregou a missão, que para ela, é de Deus. “Posso até ganhar as coisas, mas não peço nada. Faço de coração e me sinto bem por isso. ”, enfatiza.

Cada benzedeira tem seu método. Algumas usam terços, outras preferem um galho de arruda. Há ainda aquelas que usam da conversa, um abraço, massagem. A aposentada costuma cantar louvores e fazer orações, mas enfatiza que cada pessoa recebe uma oração diferente.

Ao contrário dos aproveitadores o Benzedor, em geral é alguém da própria comunidade, e que recebeu os ensinamentos dos antigos. A dona Maria diz que essa é a sua missão e que quer ir até o fim da vida seguindo esse propósito.

Acervo Pessoal

Por onde andam as benzedeiras?

Aos 71 anos, a aposentada dedica três dias da semana para atender pessoas de todas as idades

Você Sabia?

A benzedura é uma tradição herdada dos portugueses. Antigamente, em Navegantes, não tinha médico então os moradores recorriam às benzeduras. Diversos foram os benzedeiros e benzedeiras que os moradores de Navegantes tiveram contato.

O Sr. Pedro Sacavem benzia de mordida de cobra e ele teria aprendido essa reza com o seu pai, o Sr. João Cardoso Sacavem, que benzia todos os males. Malvina benzia de cobreiro. Dona Balbina, a mãe da Neves, curava crianças de vermes.

Aninha Couto benzia de erezipela. Benízia benzia de todos os males. Florzina Rodrigues benzia de arca caída. Também tinham os brebes (breves), bem costurados, portadores de orações que só os benzedeiros conheciam e não passavam para mais ninguém. Pedro Silvino fazia para cair as berrugas, tinham brebes para o embruxamento ou emprezamento e continham orações.

Acervo Pessoal

Por onde andam as benzedeiras?

Ao contrário dos aproveitadores o Benzedor, em geral é alguém da própria comunidade, e que recebeu os ensinamentos dos antigos

Acervo Pessoal

Por onde andam as benzedeiras?

A dona Maria recebe pessoas de diferentes classes sociais, profissões e origens, anônimas na sua casa

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS