Campo Grande Quinta-feira, 30 de Maio de 2024


Polícia Sexta-feira, 07 de Novembro de 2008, 15:14 - A | A

Sexta-feira, 07 de Novembro de 2008, 15h:14 - A | A

Polícia divulga retrato falado do suspeito de matar menina em Curitiba

Da Redação (JG)

O suspeito de ter matado a menina Rachel Maria Lobo de Oliveira Genofre, de 9 anos, é moreno claro ou queimado de sol, aparenta ter mais de 50 anos, tem cabelos escuros, olhos claros, 1,68 metro de altura e cerca de 70 quilos. No dia em que a menina desapareceu, ele estaria usando camisa branca, jaqueta marrom de napa, calça jeans e sapatos e estava a pé. A polícia divulgou o retrato falado do suspeito nesta sexta-feira (7), em Curitiba.

Rachel desapareceu na segunda-feira (3), depois de sair da escola. Ela costumava ir à unidade de ensino sozinha. O corpo da menina foi encontrado na madrugada de quarta-feira (5), dentro de uma mala abandonada, na rodoviária da cidade, com sinais de violência sexual e estrangulamento. A polícia investiga o caso. O computador usado pela menina e um lençol encontrado junto ao corpo estão sendo examinados.

O delegado-chefe da Delegacia de Homicídios, Jaime Luz, disse que as características do suspeito foram citadas em depoimentos tomados nos últimos dias. "Esperamos que, em um curto espaço de tempo, consigamos ter o nome e a foto de fato do culpado", afirmou o policial. "A investigação está sendo conduzida com o maior sigilo possível. Trabalhamos no entorno dos locais que a criança freqüentava, do centro da cidade e do local onde foi encontrado o corpo."

De acordo com o delegado, ainda não se sabe se Rachel conhecia o suspeito. Além dos depoimentos, a polícia trabalha também com os resultados obtidos em exames feitos pela polícia científica e o Instituto Médico Legal. Os investigadores estão pesquisando também crimes em outros pontos do país, que podem ter características semelhantes ao caso.

Protesto

Nesta sexta-feira (7), mil pessoas participaram de uma caminhada silenciosa de protesto contra a morte de Rachel. A maioria dos manifestantes era formada por alunos da escola em que a garota estudava. Os pais de Rachel também estiveram no local.

O pai de Rachel, Michael Genofre, disse, antes da caminhada, que está acompanhando as investigações. "O mais importante agora, que a gente já se despediu dela, é achar logo quem fez isso", afirmou. (G1)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS