Campo Grande 00:00:00 Domingo, 14 de Julho de 2024


Nacional Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2022, 09:53 - A | A

Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2022, 09h:53 - A | A

Política

Presidente do Olodum vai comandar a Fundação Cultural Palmares

Anúncio foi feio pela futura ministra da Cultura Margareth Menezes

Agência Brasil
Pedro Rafael Vilela

TV Brasil

Presidente do Olodum vai comandar a Fundação Cultural Palmares

João Jorge Rodrigues

O presidente e um dos fundadores do bloco afro Olodum, João Jorge Rodrigues, foi anunciado nesta quinta-feira (22) como o próximo presidente da Fundação Cultural Palmares, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O convite partiu da cantora Margareth Menezes, futura ministra da Cultura da nova gestão

"Convidei, e ele já aceitou, o João Jorge, presidente do bloco Olodum, um dos fundadores do bloco Olodum, para fazer o resgate da Fundação Palmares", afirmou Menezes a jornalistas na sede do governo de transição, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília. A futura ministra criticou a gestão da autarquia federal ao longo dos últimos anos. "A Fundação Palmares foi completamente depredada, fisicamente e também na sua estrutura interna", acrescentou.

 

Fundada em 1988, com inspiração na própria Constituição Federal, a Fundação Cultural Palmares foi o primeiro órgão federal criado para promover, preservar e disseminar a cultura afro-brasileira. Por mais de três décadas, esteve vinculada ao Ministério da Cultura, mas com a extinção da pasta, em 2019, passou a estar subordinada ao Ministério do Turismo. Com a recriação do Ministério da Cultura, a Palmares volta à sua vinculação institucional original.

Além de produtor cultural, João Jorge é advogado e mestre em Direito pela Universidade de Brasília (UnB). Ele também foi integrante do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), até 2016, quando o colegiado foi extinto.

Nos últimos anos, a Fundação Palmares foi alvo de polêmicas porque o seu então presidente, o jornalista Sérgio Camargo, que ficou no cargo até o início deste ano, era crítico do próprio Zumbi dos Palmares, herói nacional que dá nome à instituição, além de ter proferido declarações contra o movimento negro e contra o Dia da Consciência Negra.

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS