Campo Grande Quinta-feira, 23 de Maio de 2024


Interior Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008, 08:15 - A | A

Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008, 08h:15 - A | A

Pescadores fazem manifestação em Fátima do Sul

Da redação (LM)

Cerca de 70 pescadores que fazem parte da Colônia dos Pescadores Artesanais e Profissionais “Z10” de Fátima do Sul, colônia está que abrange os município de Fátima do Sul, Vicentina, Jateí, Glória de Dourados e Deodápolis, além do distrito de Culturama e Lagoa Bonita, estiveram reunidos para se manifestarem contra a decisão do Imasul, na questão da pesca na bacia do Rio Paraguai, ser diferenciada para os pescadores do Rio Paraná. 

A Presidente da Colônia Z10, Maria Antônia Poliana, disse de sua indignação sobre as decisões feitas para os pescadores da bacia do Rio Paraná. “Estamos novamente fora da pesca de subsistência, onde todo ano é um luta para tentar enquadrar nos pescadores de nossa colônia, junto com os outros pescadores do Rio Paraguai, onde eles podem utilizar da pesca de subsistência, ou seja, podem pegar até 3Kg ou um exemplar, e nós só podemos pescar peixes exóticos, ou seja, o Tucunaré, Tilápia, Porquinho, e esses peixes só existem em barragens e não em nossos rios que utilizamos da pesca. Estarei lutando e viajando para tentar solucionar esse problema da nossa colônia de pescadores”, finalizou Maria Antonia. 

O pescador profissional a mais de 35 anos, Sebastião Alves, mais conhecido como “Tião do Cachimbo”, do distrito de Culturama, relatou que é impossível cuidar da família com apenas R$ 415 reais, sem a pesca de subsistência, ele que tem 4 filhos e um necessita de cuidados médicos por ter problemas de saúde “É muito difícil para sobreviver dessa forma, eu que já sou pescador a mais de 35 anos, tenho essa imensa dificuldade quando chegar essa época da piracema. Peço que pelo menos sejamos enquadrados na pesca de subsistência”. Salienta Tião do Cachimbo. 

O Sargento da Polícia Militar Ambiental, Frais, participou da reunião e reforçou e tirou as dúvidas dos pescadores presentes, com referencia do que pode e do que não pode durante a pesca neste período da piracema. 

Durante o período de Piracema, quando os peixes se reproduzem e fica proibido pescar nos rios, os pescadores que sobrevivem da pesca artesanal têm direito a receber o seguro-desemprego. O auxílio financeiro é pago através da Caixa Econômica Federal e o requerimento em Mato Grossodo Sul será feito por meio do Centro Integrado de Atendimento ao Trabalhador e Fundação do Trabalho (Ciat/Funtrab). O órgão vai intermediar o pedido do benefício - e uma forma de realizar este trabalho é o deslocamento dos técnicos da instituição estadual até as colônias de pesca e associações de pescadores do interior do Estado. (Fátima News)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS