Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 29 de Junho de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Domingo, 13 de Fevereiro de 2022, 10h:23
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Aumenta número de empresas que atuam com comércio eletrônico

Por Alice Bachiega

Da coluna Tecnologia
Artigo de responsabilidade do autor

Fenômeno, acelerado pela pandemia do coronavírus, tem microempreendedores como principais adeptos

iStock

ColunaTecnologia

Mesmo com o retorno às atividades presenciais, cada vez mais microempreendedores investem em modelos de negócio digitais. O fenômeno é, sem dúvida, uma progressão natural acelerada pelo período de quarentena.

Segundo o Sebrae e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), em sua 13ª Pesquisa de Impacto da Pandemia do Coronavírus nos Pequenos Negócios, realizada em novembro de 2021, 74% dos pequenos negócios atuam no comércio eletrônico. Mais detalhadamente, 76% dos Microempreendedores Individuais (MEI) e 72% dos donos de micro e pequenas empresas vendem pela internet.

Até maio de 2020, apenas 59% dos donos de pequenos negócios eram adeptos do comércio eletrônico. A digitalização dos meios foi indubitavelmente acelerada pela pandemia, e continua a todo o vapor.

E não é à toa. Durante o período de quarentena, as medidas altamente restritivas tornaram ainda mais comum o uso de plataformas de e-commerce e aplicativos de compras pela internet. O consumidor, que antes já se tornava phygital, passou a ser quase que completamente digital.

O boom do e-commerce, no entanto, é sustentado principalmente pelos meios alternativos e pelos aplicativos que possibilitam compra direta e relação mais próxima com o vendedor. Como demonstrado pelos dados do Sebrae, o movimento é liderado pelos microempresários individuais, que preferem esse tipo de ferramenta.

O WhatsApp é a plataforma mais utilizada por esses microempreendedores, sendo aderida por 84% dos negócios voltados para o comércio eletrônico. O Instagram vem em segundo lugar, tendo cerca de 51% dos pequenos negócios.

A cada dia, cresce a noção de importância de ferramentas como redes sociais e diminui a preferência do consumidor por plataformas de e-commerce mais tradicionais, como o Mercado Livre e a OLX.

Investimentos também são feitos na parte de atendimento e comunicação, tanto de pequenas, como grandes empresas. No atual período de evolução do e-commerce, é sabida a importância de ferramentas como e-mail marketing, profissionais como copywriter e estratégias de fidelização como SMS em massa, técnica que facilita a comunicação com os clientes e potencializa a retenção deles.

Conforme avança o estado de recuperação da pandemia de coronavírus, novas oportunidades surgem, e o mercado volta a se aquecer com novas ideias e padrões. Após a popularização do home office e do estilo de vida mais digitalizado, é natural que o e-commerce cresça. O principal objetivo dos empreendedores, no momento, é aliar as vendas digitais às vendas presenciais, garantindo sucesso comercial e completude.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix