Campo Grande Quarta-feira, 29 de Maio de 2024


Rural Terça-feira, 11 de Novembro de 2008, 07:22 - A | A

Terça-feira, 11 de Novembro de 2008, 07h:22 - A | A

Nova Andradina pode ter usina de biodiesel

Redação Capital News (www.capitalnews.com.br)

Nesta semana Nova Andradina discute em audiência pública a construção e implementação de uma usina de bioenergia. A BBE Brasil Bioenergia S.A. faz parte de um conjunto de cinco usinas de biodiesel que terá sua matriz no município. A audiência será hoje, na Câmara Municipal da cidade, às 19h. 

A empresa visa a extração de óleo vegetal, fabricação e comercialização de combustível vegetal, biodiesel e seus subprodutos. Basicamente, cada usina é composta de duas unidades industriais: A primeira de esmagamento de soja, com estrutura de armazenamento de matéria-prima, limpeza, preparação, laminação e degomagem, na qual ao fim do processo há a produção de óleo vegetal e farelos. A segunda, a usina de biodiesel, em que o óleo bruto com adição de sebo passa por um processo de refino, resulta no biodiesel e glicerina. 

A BBE Brasil Bioenergia S.A., unidade de Nova Andradina, produzirá 115.594m³/ano de biodiesel e 11.650t/ano de glicerina por meio do esmagamento de 500t/ano de soja, produzindo 400.000t/ano de farelo de soja. A partir do sexto ano do início de operação a usina passará a processar também o pinhão-manso, com capacidade de esmagamento de 270.000t/ano. Essa unidade utilizará também como matéria-prima para a produção do biodiesel 20.520t/ano de sebo bovino. 

Cada unidade industrial gerará 140 empregos diretos e aproximadamente 3.000 indiretos, além de atuar com 20.000 agricultores familiares, já que pelo menos 10% da matéria-prima será adquirida desse setor. Além da geração de empregos, a usina vai dinamizar a economia do município e aumentar a sua arrecadação de tributos.

É importante salientar que durante a fase de construção e durante toda operação da usina são executados programas ambientais que visam minimizar o desgaste natural ou social e maximizar a utilização destes mesmos recursos naturais, sempre com a preocupação de não afetar o meio ambiente ou a sociedade. Dentre esses programas estão o monitoramento da qualidade do ar, gerenciamento de resíduos sólidos, otimização e racionalização do uso da água, recuperação e/ou recomposição das áreas de preservação permanente e reserva legal e a priorização de contratação de mão-de-obra local. (Assessoria)

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS