Campo Grande 00:00:00 Quinta-feira, 25 de Julho de 2024


Executivo Segunda-feira, 10 de Junho de 2024, 08:53 - A | A

Segunda-feira, 10 de Junho de 2024, 08h:53 - A | A

Ranking

Campo Grande mantém índice de Capital Humano

Ranking se baseia em 65 indicadores, distribuídos em 13 pilares temáticos

Elaine Oliveira
Capital News

Campo Grande se destaca como um exemplo de progresso e investimento em setores fundamentais para o bem-estar e o crescimento econômico seu desenvolvimento ao alcançar o primeiro lugar no ranking de competitividade dos municípios no indicador de Capital Humano entre todas as cidades da Região Centro-Oeste.

Além de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Corumbá compõem a lista dos 10 municípios da região Centro-Oeste melhor classificados no pilar Capital Humano. O levantamento – realizado pela quarta vez pelo CLP (Centro de Liderança Pública), em parceria com a Gove Digital e a Seall – apresenta o resultado detalhado dos 410 municípios do País com mais de 80 mil habitantes.

O ranking se baseia em 65 indicadores, distribuídos em 13 pilares temáticos considerados fundamentais para a promoção da competitividade e melhoria da gestão pública das cidades brasileiras.

Desenvolvido pelo Centro de Liderança Pública (CLP), o ranking de competitividade dos municípios avalia diversas dimensões essenciais para a prosperidade das cidades brasileiras. Entre esses indicadores, o Capital Humano é considerado um dos mais cruciais, pois avalia o nível educacional da mão de obra, aspectos relacionados à inserção no mercado de trabalho e os impactos sobre a produtividade da economia. Também leva em conta o número de matrículas nos ensinos técnico, profissionalizante e superior, além da qualificação dos trabalhadores em emprego formal.

Outro fator importante a ser ressaltado é que Campo Grande mantém a liderança entre as capitais com a menor taxa de desocupação no país. Os últimos dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) colocaram a capital de Mato Grosso do Sul com uma taxa de desocupação de 4,4%, índices semelhantes aos de países desenvolvidos.

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS