Campo Grande/MS, Quinta-Feira, 02 de Abril de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Segunda-Feira, 23 de Março de 2020, 07h:00
Tamanho do texto A - A+

Escalada do everest

Por Walter Roque Gonçalves*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, usa de metáfora para elucidar o eminente crescimento dos números de casos do COVID-19, “é como uma escalada ao monte Everest”, diz o ministro. Ao colocar os números em um gráfico a imagem lembra um monte íngreme, como o Everest. Se as providências forem tomadas, a quantidade de pessoas infectadas de só uma vez diminuirá e o gráfico lembrará as alongadas montanhas de Minas Gerais. Diante desta situação os empresários que dependem da circulação de pessoas para vender e pagar as contas ficam sem saber o que fazer, principalmente aqueles que estão com o caixa da empresa fragilizado.

Divulgação

Walter Roque Gonçalves - Artigo

Walter Roque Gonçalves


O fato é que o quanto antes as medidas necessárias forem tomadas, mais cedo conseguiremos voltar a rotina de trabalho. Por isso, será inevitável fechar o comércio, ao menos por um tempo. A ação colaborará para eliminar o COVID-19 da comunidade e permitirá que retornemos as nossas atividades o mais breve possível. Claro que é uma decisão difícil de ser tomada! É preciso consciência, senso de comunidade e coragem. No entanto, em muitos casos será o melhor a se fazer.

Para os empresários que optarem por este caminho, seguem algumas informações: o terço de férias ou mesmo as férias coletivas foram flexibilizadas, o especialista Jairo Qualva Coelho orienta “Fazer um oficio junto ao ministério do trabalho comunicando o período de férias, relacionando os funcionários e fazer uma observação que as referidas ferias é de caráter emergencial ( COVID-19 )”. A rigor o comunicado de férias deve ser feito com antecedência de  30 dias, mas em caráter emergencial pode adotada de imediato.

Está previsto também a redução de carga horária de trabalho. O governo autorizou o atraso por 3 meses do recolhimento dos impostos do Simples Nacional e do FGTS, além de linhas de financiamento subsidiadas para fim de capital de giro e outros incentivos. As empresas que sobreviverem a esta fase colherão resultados na recuperação da economia assim que o surto passar. E que a escala do Everest se transforme numa caminhada pelas montanhas de MG.

 

 

*Walter Roque Gonçalves

Professor ABS/FGV, consultor de resultados | CRA 144.772 | Contato: (18) 99723-3109 | e-mail: walter@consultoriajk.com.br

 

 



 


 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix