Campo Grande/MS, Quinta-Feira, 06 de Maio de 2021 |
27˚
(67) 3042-4141
Esporte
Quinta-Feira, 15 de Abril de 2021, 11h:19
Tamanho do texto A - A+

Vacinas da Conmebol irão para o SUS se entrarem no Brasil

Sinovac fez doação de 50 mil doses para entidade imunizar jogadores na América do Sul

Rogério Vidmantas
Capital News

GOVESP

Coronavac

Conmebol irá receber 50 mil doses da Coronavac

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) anunciou na última terça-feira (13) que receberá da Sinovac uma doação de 50 mil doses de vacinas contra covid-19 para imunizar jogadores profissionais de “torneios de primeira categoria” do futebol sul-americano.

 

Os times e jogadores brasileiros, porém, podem ter dificuldade em ser imunizados com essas doses. Isso porque, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), as doses doadas pela farmacêutica chinesa, se entrarem no Brasil, deverão ser “integralmente doadas” ao Sistema Único de Saúde (SUS). 

 

Segundo nota distribuída pelo orgão, as doações seguem a dinâmica da Lei nº 14.125/2021, que autoriza vacinas contra a covid-19 a serem importadas de forma “excepcional e temporária”, desde que repassadas ao SUS, “a fim de serem utilizadas no âmbito do Programa Nacional de Imunizações [PNI]”. Ainda conforme o comunicado, somente após a imunização dos grupos prioritários é que “pessoas jurídicas de direito privado poderão, atendidos os requisitos legais e sanitários, adquirir, distribuir e administrar” os imunizantes, sob condição de que “pelo menos 50% das doses sejam, obrigatoriamente, doadas ao SUS e as demais sejam utilizadas de forma gratuita”.

 

Em 2021, a entidade realizará a Copa América em dois países (Argentina e Colômbia) e pretende, segundo entrevista recente do presidente Alejandro Domínguez, que o torneio tenha público nos estádios, mediante vacinação.

 

A vacinação prioritária de atletas é discutida como forma de viabilizar a realização da Olimpíada de Tóquio, no meio do ano. Jogadoras da seleção brasileira de futebol feminino, como a zagueira Rafaelle e a meia-atacante Andressa Alves, porém, estão entre os esportistas que discordam e entendem que há grupos de pessoas com maior necessidade de acesso aos imunizantes.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix