Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 07 de Maio de 2021 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Quarta-Feira, 10 de Março de 2021, 18h:03
Tamanho do texto A - A+

Prefeitura de Campo Grande acata medidas restritivas do Governo do Estado

Decisão foi anunciada após reunião com representantes do Ministério Público Estadual, Defensoria Pública, Ordem dos Advogados do Brasil, secretários municipais, Câmara de Dirigentes Lojistas, Associação Comercial e Abrasel

Elaine Silva
Capital News

Divulgação/PMCG

Prefeitura de Campo Grande acata medidas restritivas do Governo do Estado

Reunião nesta quarta-feira

“Que fique bem claro: Nossa preocupação é a vida, sem matar a economia. Diante deste período de alto índice de internação, que preocupa todos nós, tomada de providência e regramentos, com medidas restritivas, são necessárias”, justificou o prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD), após reunião nesta quarta-feira (10).

A reunião foi após o decreto do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que determina um novo toque de recolher e outras medidas restritivas que visa o combate ao covid-19.

Com a reunião ficou determinado que Campo Grande seguirá o decreto publicado pelo Governo do Estado, que limita o trânsito de pessoas e estabelece medidas mais rígidas no combate à pandemia a partir de domingo.

Participaram da reunião na Prefeitura, representantes do Ministério Público Estadual, Defensoria Pública, Ordem dos Advogados do Brasil, secretários municipais, Câmara de Dirigentes Lojistas, Associação Comercial e Abrasel.

Veja alguns pontos do decreto:
Durante o horário do toque de recolher, somente poderão funcionar os serviços de saúde, transporte, alimentação por meio de delivery, farmácias e drogarias, funerárias, postos de gasolina e indústrias.

Aos sábados e domingos, os serviços que não são classificados como de natureza essencial terão regime especial de funcionamento. Só poderão abrir e atender o público entre 5 e 16 horas. Durante os horários e dias de funcionamento das atividades e serviços autorizados, os estabelecimentos deverão funcionar com limite máximo de 50% de sua capacidade instalada, respeitando o distanciamento mínimo de um metro e meio entre as pessoas presentes no local.

Em razão do alto risco de contaminação, fica proibida realização de eventos, reuniões, shows e festividades em clubes, salões e afins em locais onde o espaço físico não permita o respeito às regras de biossegurança.

Para órgãos e entidades públicas estaduais a recomendação é de adoção, de forma excepcional, do teletrabalho, mas caberá ao dirigente máximo das pastas editar ato de regulamentação a aplicação e alcance desse regime.

O decreto suspendeu também as cirurgias eletivas pelos hospitais das redes pública estadual e contratualizada. No entanto, estão permitidas as que já haviam sido agendadas, assim como as cardíacas, oncológicas e aquelas que, mesmo sendo eletivas, possam causar danos permanentes aos pacientes caso não sejam realizadas durante o período de suspensão.

Estão autorizadas ainda, em caráter excepcional e temporário, a instalação de barreiras sanitárias nos aeroportos e pontos de fiscalização nas rodovias de Mato Grosso do Sul. A publicação não impede que os municípios adotem medidas de restrição mais rígidas, de acordo com a situação epidemiológica e as particularidades.  

A fiscalização será realizada pelas polícias civil e militar, Corpo de Bombeiros Militar e, em conjunto ou cooperação, pelas Guardas e Vigilâncias Sanitárias Municipais.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix