Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 17 de Agosto de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Sexta-Feira, 27 de Maio de 2022, 12h:55
Tamanho do texto A - A+

Dados de transplantes renais são informatizados na Santa Casa de Campo Grande

A intenção é garantir maior agilidade e segurança no atendimento aos pacientes

Assessoria Santa Casa

A Sala de Situação e Inteligência de Negócios em parceria com Serviço de Transplante da Santa Casa

Divulgação Santa Casa

Dados de transplantes renais são informatizados na Santa Casa de Campo Grande

 

de Campo Grande implementaram, em maio de 2022, um módulo que permite informatizar os documentos e processos via sistema. A intenção é garantir maior agilidade e segurança no atendimento aos pacientes, além de gerar indicadores e dados à equipe de profissionais do hospital sobre os processos internos.

 

De acordo com a supervisora de enfermagem do Serviço de Diálise, Glauciane Nolasco, a informatização dos processos já era uma necessidade. “Uma questão de visualização do levantamento de informações, de criar dados que fossem estatísticos, porque a gente trabalha bastante, mas não de uma maneira que fosse organizada no sentido de levantar de indicadores”, explicou.

 

Entre os benefícios do novo módulo estão um banco de dados confiável com o registro de todos os processos dos pacientes, a redução de custos por conta da agilidade nas intermediações que gera otimização da produtividade, processos mais ágeis em todas as fases do atendimento e um melhor gerenciamento de dados, serviços, indicadores e performance no geral.

 

Para o coordenador da Sala de Situação e Inteligência de Negócios, Enio Pereira, a parceria com a empresa GMOB na criação do sistema introduziu mais uma ferramenta de controle para obter excelência no Serviço de Transplante, especialmente o renal. “O software mapeia todo atendimento e norteia a equipe assistencial em sua atividade diária para saber de exames, como tomografias, ressonância, testes sorológicos e biópsia, tendendo a acelerar a listagem desse paciente na fila de espera de um rim”, ressaltou.

 

Segundo a enfermeira, o sistema também beneficia, do ponto de vista organizacional, na execução das atividades, no acompanhamento e na resolução das pendências vinculadas ao paciente, mostra como proceder de maneira mais direta, além de gerar indicadores de produção, de informação e de atendimento. Também há possibilidade de acompanhar o faturamento das documentações e se tudo está sendo levado adiante.

 

“Isso é um crescimento muito importante para o Serviço de Transplante. Nós somos referência e temos a necessidade de fazer com que o serviço seja cada vez melhor. E a gente tem conseguido de maneira conjunta com os demais serviços dentro do hospital. Então, para nós é de grande sucesso”, finalizou a supervisora de enfermagem do serviço de diálise, Glauciane Nolasco.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix