Campo Grande 00:00:00 Segunda-feira, 22 de Julho de 2024


Opinião Quarta-feira, 12 de Junho de 2024, 12:14 - A | A

Quarta-feira, 12 de Junho de 2024, 12h:14 - A | A

Opinião

Os segredos para o melhor uso da Inteligência Artificial

Por Eduardo Mecking*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para [email protected]

A Inteligência Artificial (IA) é uma das tecnologias mais promissoras do nosso tempo, com o potencial de transformar todos os setores da economia. Recentemente, a plataforma Statista estimou que o mercado global de IA generativa deve crescer a uma taxa anual de 20%, chegando a US$ 207 bilhões em 2030. Esse crescimento exponencial reflete a crescente importância da IA no mundo dos negócios e o desejo do mercado em se preparar para aproveitar todo o potencial dessa tecnologia.

No entanto, antes de embarcar nessa jornada, as empresas devem estar cientes de que, para a implementação bem-sucedida da IA, a tecnologia é apenas uma parte do quebra-cabeça. É necessário um compromisso sólido e organizacional em torno da inovação, da aprendizagem contínua e da colaboração para o seu desenvolvimento responsável.

Em primeiro lugar, podemos pensar na construção de uma cultura em que a coleta, o armazenamento e o gerenciamento de dados sejam prioridades. Não é novidade que a Inteligência Artificial depende de grandes volumes de dados para aprender e melhorar ao longo do tempo. Por isso, as empresas devem estabelecer processos para criar uma cultura de dados relevantes, garantindo sua qualidade e estabelecendo o principal: segurança.

Pensando nisso, a segunda etapa consiste na estrutura de governança de IA, que, desde a sua origem, levanta questões éticas e sociais importantes sobre privacidade, viés algorítmico e impacto no mercado de trabalho. Portanto, as empresas interessadas em inovação devem estabelecer políticas e diretrizes claras para garantir que seus recursos sejam usados de maneira ética, transparente e responsável. Avaliações de impacto e mecanismos de prestação de contas para stakeholders são exemplos de como identificar e mitigar possíveis riscos.

Já o terceiro passo envolve a criação de uma infraestrutura tecnológica adequada para suportar a IA, por meio da adoção de plataformas de nuvem escaláveis, como a Microsoft. Um ecossistema completo de soluções, que integra várias ferramentas no mesmo lugar, tem o poder de processamento e armazenamento necessários para aquelas empresas que precisam lidar com grandes quantidades de dados e executar algoritmos complexos, além de automatizar tarefas repetitivas com o investimento em ferramentas de automação de processos robóticos (RPA).

A formação de parcerias estratégicas com especialistas também é outra etapa importante para o melhor aproveitamento da Inteligência Artificial, que possui uma jornada complexa e, no meio do caminho, requer conhecimentos especializados em áreas como aprendizado de máquina, processamento de linguagem natural e visão computacional. Trabalhar com parceiros que possuam experiência e conhecimento nesses campos pode acelerar o desenvolvimento e a implementação da IA, permitindo que as empresas aproveitem seus benefícios mais rapidamente.

Finalmente, a quinta etapa é a adoção de uma mentalidade de aprendizado contínuo. A IA é uma tecnologia em constante evolução, e as empresas devem estar dispostas a experimentar, aprender com os erros e ajustar suas estratégias à medida que novas descobertas e avanços tecnológicos surgem. Isso requer uma cultura de inovação e colaboração, na qual as equipes se sintam encorajadas a explorar novas ideias, compartilhar conhecimentos e, quando necessário, receber ajuda de empresas especializadas em soluções de Inteligência Artificial.

Podemos enxergar a jornada de uso da IA como desafiadora, mas repleta de oportunidades. À medida que o mercado global de IA continua a se aventurar, é essencial que as empresas estejam preparadas para lidar com tudo o que essa tecnologia exige para, depois, aproveitar todo o seu potencial. Gosto de dizer que a inovação tecnológica acontece quando há insatisfação do cliente, representando uma nova chance de transformar experiências positivas, ressignificar parcerias e valorizar a governança adequada que todo o setor merece ter.


*Eduardo Mecking
Country Manager Brazil da Beyondsoft

 

• • • • •

 

A veracidade dos dados, opiniões e conteúdo deste artigo é de integral responsabilidade dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Capital News

 

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS