Campo Grande Segunda-feira, 17 de Junho de 2024



Geral Quinta-feira, 30 de Maio de 2024, 17:53 - A | A

Quinta-feira, 30 de Maio de 2024, 17h:53 - A | A

SOS RS

Presos da Máxima confeccionam rodos para o Rio Grande do Sul

Produção foi realizada pela empresa Pilatte Cadeiras, que tem um convênio com a Agepen

Elaine Oliveira
Capital News

Cerca de trezentos rodos especialmente confeccionados por reeducandos na Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande, foram doados para auxiliar na limpeza das áreas atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul. A entrega dos rodos aconteceu nesta quarta-feira (29), no Centro de Convenções Albano Franco, para serem levados até o estado do Sul do país.

Os rodos serão usados para remover a lama deixada pelas inundações, um esforço crucial para a recuperação das comunidades afetadas. A produção desses rodos foi realizada pela empresa Pilatte Cadeiras, que tem um convênio com a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) para a ocupação da mão de obra prisional há mais de 10 anos.

Normalmente, a Pilatte Cadeiras, instalada dentro de uma das maiores penitenciárias de Mato Grosso do Sul, dedica-se à produção de cadeiras de fios. No entanto, sensibilizado pela situação das enchentes no sul do país, o empresário Luiz Carlos Pilatte decidiu desviar temporariamente a produção para a confecção dos rodos, demonstrando um espírito de solidariedade e responsabilidade social.

Para o diretor do EPJFC, Milson da Silva Caetano, a iniciativa não só demonstra a capacidade de adaptação e solidariedade das empresas envolvidas no sistema penitenciário, mas também demonstra a importância da utilização da mão de obra prisional em projetos que beneficiam a sociedade, promovendo a ressocialização dos detentos e contribuindo para causas humanitárias urgentes.

“Com essa ação, fica evidente o impacto positivo que a ocupação produtiva pode ter, tanto na vida dos reeducandos quanto na sociedade, promovendo uma reintegração mais humanizada e eficiente, além de mostrar o valor das iniciativas de responsabilidade social corporativa em tempos de crise”, afirma o dirigente.

Comente esta notícia


Reportagem Especial LEIA MAIS