Campo Grande/MS, Domingo, 22 de Outubro de 2017 | 17:46
27˚
(67) 3042-4141
Rural
Quinta-Feira, 28 de Setembro de 2017, 17h:54
Tamanho do texto A - A+

Associação vai recorrer contra decisão do STF sobre Funrural

Segundo decisão do STF, é constitucional a cobrança da alíquota de 2,1% do Funrural

Fernanda Freitas
Capital News

Waldemir Barreto/Agência Senado

Senado Funrural

A falta de acordo sobre o texto final levou a bancada ruralista a pedir a extensão do prazo

A ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu) vai recorrer da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de declarar constitucional a cobrança do Funrural (Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural), informou a entidade em nota nesta quinta-feira (28).

A decisão da associação de pecuaristas de recorrer veio após o acórdão da decisão do STF ter sido publicado no Diário Oficial da União, na quarta-feira (27).

Segundo decisão do STF de março, é constitucional a cobrança da alíquota de 2,1 por cento do Funrural incidente sobre a receita bruta da comercialização da produção dos produtores rurais pessoas físicas, estando em débito aqueles que não recolheram o valor nos últimos anos.

No comunicado da ABCZ, o advogado Marcelo Guaritá Borges Bento, um dos representantes da entidade no tribunal, disse que um recurso denominado embargos de declaração desafiará o acórdão, buscando que a decisão passe a valer apenas a partir do fim do julgamento.

"Do contrário, serão enormes os impactos negativos para o agronegócio", disse.

Segundo uma fonte ouvida pela Reuters na quarta-feira, o governo federal vai prorrogar o prazo de adesão ao programa de regularização da dívida do Funrural, que venceria na próxima sexta-feira, para o dia 30 de novembro.

Além de tratar da regularização, a MP do Funrural reduziu a alíquota da cobrança para 1,2 por cento.

A falta de acordo sobre o texto final levou a bancada ruralista a pedir a extensão do prazo. O texto ainda precisa ser aprovado pela comissão mista e pelos plenários da Câmara e do Senado, antes de ir a sanção presidencial.

 

(Por José Roberto Gomes) Reuters

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix