Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 15 de Agosto de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Polícia
Segunda-Feira, 27 de Junho de 2022, 16h:13
Tamanho do texto A - A+

MPF fará perícia em fazenda palco de conflito entre indígenas e policiais em Amambai

Presidente do COISEC diz que não tinha só indigena na invasão

Iury de Oliveira
Capital News

Divulgação/Povos Guarani Kaiowá

Confronto da PM e indígenas deixa vários feridos em fazenda de Amambai

Homem ferido durante confronto

Um analista em antropologia do Ministério Público Federal (MPF) vai realizar, a partir desta terça-feira (28), uma perícia antropológica na retomada Guapoy, em Amambai, para verificar eventual violação de direitos no local que foi palco de conflito entre policiais militares do Choque e indígenas terminou com a morte de Vito Fernandes, 42. A perícia no local vai até o dia 1º de julho.

 

O documento também determina a requisição de informações aos órgãos e entidades direta e indiretamente envolvidos no conflito, a fim de apurar os fatos e prevenir, reprimir e punir possíveis delitos de atribuição/competência federal, além de fazer o devido encaminhamento de eventuais crimes de âmbito estadual. São eles: Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado de Mato Grosso do Sul (incluindo as polícias Civil e Militar que atuam em Amambai), Ministério Público da Comarca de Amambai, Hospital Regional de Amambai, Clínica de Saúde Indígena (Casai) de Amambai, Instituto Médico Legal (IML) de Amambai, Coordenação Regional da Funai em Ponta Porã (MS) e unidade da Polícia Federal de Ponta Porã.

 

Segundo o presidente do Conselho Institucional de Segurança Pública de Campo Grande (COISEC), coronel Claudemir de Melo em entrevista ao programa Noticidade da rádio FM Cidade, não tinha só indígenas na invasão. “Havia indígenas brasileiros, paraguaios e também posseiros paraguaios. Isso o inquérito vai levantar e mostrar que havia outras pessoas ali”, afirmou o coronel.

 

Ainda segundo o coronel, o Batalhão de Choque da Polícia Militar além de outras forças de segurança foram acionadas durante a invasão porque havia um crime ocorrendo com risco de morte para as pessoas da fazenda. 

 

“Existem terras para os indígenas. Essas invasões são arquitetadas e a polícia militar tem de manter a ordem pública" enfatizou. 

 

O conflito ocorreu na tarde de sexta-feira (24) e ocasionou na morte de Vito Fernandes. O caso ocorreu na Fazenda Morda da Mata, em Amambai, na região onde será realizada a perícia. 

 

Na ação, 11 pessoas acabaram feridas, oito indígenas e três policiais. A propriedade fica às margens da MS-156.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix