Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 01 de Julho de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Polícia
Terça-Feira, 24 de Maio de 2022, 16h:27
Tamanho do texto A - A+

Morte de onças e outros animais são esclarecidas e responsáveis presos

Caso aconteceu no ano passado e análise em laboratório comprovou a causa das mortes

Rogério Vidmantas
Capital News

Divulgação/PF

POlícia Federal Onça Pantanal

Carcaça de animais mortos foram localidas pelo monitoramento via GPS

A Polícia Federal de Corumbá concluiu investigações sobre a morte de duas onças e outros 18 animais, na região do Abobral, Pantanal Sul Mato Grossense. Os casos foram comunicados à PF no dia 15 de junho do ano passado por uma equipe do Instituto Reprocon que encontrou uma onça monitorada morta. Nas proximidades, carcaças de outros animais, o que levantou suspeita de envenenamento. 

 

Com a conclusão das investigações, os responsáveis foram identificados e indiciados pela morte das onças e dos demais animais. Detalhes sobre motivação do envenenamento e identificação dos autores não foram divulgados.

 

Agrotóxico proibido

 

Isso aconteceu no dia 14 de junho quando a equipe realizou incursão em campo para rastreamento do colar de GPS instalado em um dos animais monitorados pelo grupo, pois, o colar havia emitido sinal referente ao sensor de mortalidade. O equipamento foi localizado e junto a ele, o animal morto, uma onça-pintada, já em estado avançado de decomposição e depois outros animais, inclusive outra onça, também foram localizados.

 

Na época foi colhido material da onça para análise que foi encaminhado para exame pericial em Brasília, cujo resultado confirmou a presença de “carbofurano”, um agrotóxico de venda proibida no Brasil desde 2017 por ser extremamente tóxico, mas facilmente encontrado do Paraguai. Conforme aponta esse mesmo laudo, “o uso do carbofurano para envenenamento intencional de animais domésticos e selvagens tem sido frequentemente descrito em publicações científicas, como um dos praguicidas mais comuns para esse fim”.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix