CapitalNews

Domingo, 03 de Maio de 2020, 11h:58

Varejo planeja investir em Big Data como estrat├ęgia para aumentar os neg├│cios

Por Alice Bachiega

Da coluna Tecnologia
Artigo de responsabilidade do autor

A análise de dados para aperfeiçoar as vendas está em primeiro lugar entre as soluções mais procuradas

Divulgação

ColunaTecnologia

Com a análise das principais necessidades do comércio varejista brasileiro em relação à tecnologia, a empresa GS&UP (Grupo GS& Gouvêa de Souza) constatou que a  maior parte dos problemas dos comerciantes se resume a Big Data e Analytics. Ferramentas dessa segmentação lideram as intenções de investimentos, sendo 67% das soluções mais procuradas.


O Big Data (megadados ou grandes dados, em português) é a área de estudo que se dedica a compreender como tratar, analisar e obter informações, a partir de conjuntos de dados grandes demais para serem analisados por sistemas tradicionais. Essa tecnologia coleta e compara informações para gerar panoramas precisos, que ajudam gestores a tomarem decisões mais assertivas em diversas áreas.


Existem inúmeras empresas no mercado que se responsabilizam por coletar e analisar esses megadados. Seus serviços podem ser oferecidos a diferentes áreas de negócios de maneira personalizada. Quem contrata pode escolher entre contar com trabalho de um analista, que reunirá os dados pedidos, ou investir em softwares capazes de armazenar grandes quantidades de informação. Como o volume de dados reunido pode ser grande, assim como seu potencial para gerar insights, também se faz necessário o uso de ferramentas de advanced analytics, como o Alteryx, capazes de cruzar informações de modo a gerar análise ainda mais avançadas.


Com o apoio dessa competência tecnológica, o varejista é capaz de avaliar diversas tendências de mercado usando múltiplas fontes de dados, o que permite uma visão mais ampla e previsões ainda mais precisas. Esse recurso promove uma compreensão melhor do histórico de vendas e permite, por exemplo, que o planejamento do estoque seja melhorado, para que não haja falta de produtos e, consequentemente, a perda de oportunidade de negócios, ou excesso de mercadorias, que, no caso de produtos perecíveis, podem passar da validade e ter a venda inviabilizada.


O relacionamento com o cliente também é beneficiado. Com ferramentas como o CRM (Customer Relationship Management), é possível ter informações específicas sobre os compradores e, a partir delas, elaborar estratégias personalizadas de vendas para aumentar a proximidade com o cliente, melhorando o atendimento oferecido pela empresa.


Até mesmo a  publicidade da marca é impulsionada, já que as soluções vindas do Big Data conseguem descobrir e condensar informações sobre cadastros de clientes em diferentes plataformas, interações na web, históricos de mensagens e até mesmo pesquisas em lojas virtuais. Dessa forma, há a possibilidade de compreender quais são as características do público-alvo. Essa nova maneira de coletar dados capacita os empresários a correr menos riscos e largar na frente dentro da segmentação do mercado onde atuam.

 

 


Fonte: CapitalNews

Visite o website: wwww.capitalnews.com.br