Campo Grande/MS, Sábado, 17 de Novembro de 2018 |
27˚
(67) 3042-4141
Política
Terça-Feira, 11 de Setembro de 2018, 10h:13
Tamanho do texto A - A+

Estado não pode tutelar a igualdade salarial entre gêneros, diz Ana Amélia

Antes de um ato político a senadora Ana Amélia (PP) recebeu os jornalistas para uma coletiva de imprensa

Flávio Veras
Capital News

Flávio Veras/Capital News

Vice da chapa de Alckmin visita Campo Grande

Ana Amélia visitou a Capital em apoio a candidatura de Reinaldo Azambuja

 

A candidata a vice-presidente pela chapa composta por Geraldo Alckmin como presidente, Ana Amélia Lemos (PP), veio até Campo Grande nesta segunda-feira (10). Antes de um ato político - em apoio o candidato à reeleição pelo Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja - a senadora concedeu uma coletiva à imprensa e falou sobre igualdade de gêneros, agronegócio e reservas indígenas.

 

A candidata a vice atendeu os jornalistas em um salão reservado. Sobre o agronegócio, ela entende que o estado precisa fomentar a produção de cana, assim como acontece em São Paulo e, consequentemente, a geração de bioenergia com o bagaço da cana. 

 

“Em São Paulo, o Geraldo quando foi governador, incentivou o setor isentando o setor de boa parte do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), pois ele vinha atravessando dificuldades devido a crise econômica que assola nosso país. Portanto, é com medidas como essa que podemos estimular o agronegócio”, explicou.

 

Sendo mulher e política, ela foi questionada sobre a equidade de gêneros entre homens e mulheres, já que dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontam  que elas ganham até 22,5% menos do que eles exercendo as mesmas funções. Ana Amélia reconhece essa desigualdade, no entanto, questionada sobre quais políticas públicas para mudar esse quadro, ela respondeu que isso não cabe a tutela do Estado. 

 

“Temos bons exemplos no serviço público onde mulheres ocupam cargos de destaques, como a presidente do STF (Superior Tribunal Federal), Cármen Lúcia. No entanto, não cabe ao Estado tutelar essa desigualdade no setor privado, pois vivemos em uma democracia e as empresas privadas são livres para adotarem da forma que quiserem suas políticas salariais. Portanto, essa diferença só irá diminuir se a sociedade tomar consciência que estamos no século 21 e esse tipo de prática já não pode mais existir”, projetou.

 

Uma demanda grande dos agricultores familiares do Mato Grosso do Sul é a falta de políticas públicas voltadas para o setor. Questionada pela reportagem se existe em seu plano de governo diretrizes que beneficiem esse setor, a senadora argumentou que, caso a sua chapa seja eleita, um do seus focos é ampliar o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento a Agricultura Familiar). 

 

“Esse programa, criado no governo Fernando Henrique Cardoso, é um instrumento que excelente para desenvolver pequenos agricultores. Além do incentivo ao crédito, nossa intenção é trazer junto a ele a tecnologia, pois o maior problema do campo hoje é o êxodo rural. O jovem não se sente atraído em trabalhar na propriedade da família e, consequentemente, migra para cidade. Porém é compreensivo, pois em algumas regiões não temos luz e internet, que são serviços básicos. Ou seja, levando até eles tecnologia agrícola e estrutura, fomentamos a vontade de desenvolver a agricultura familiar”, revelou.  

 

Outra questão abordada pelos jornalistas e que se tornou uma problemática no estado é a questão das demarcações das reservas indígenas. A candidata falou que esse tipo de estudo deve ser feito com muito cuidado, pois às vezes existem “discrepâncias” nas limitações das áreas.

 

“Existem diversos exemplos onde geólogos e historiadores desmistificar a questão de algumas localidades. Aquelas que são locais de preservação e da cultura dos índios de verdade, devem ser sejam preservadas, porém com muito estudo para que não ocorram erros. Em relação ao conflito entre indígenas e agricultores, devemos abrir porta de diálogo entre as parte envolvidas. O Geraldo fez isso em São Paulo, mais especificamente no Pontal do Paranapanema, onde o conflito agrário era intenso. No entanto, há muitos anos não temos notícia de nenhum ato de violência entre as partes envolvidas”, finalizou.

Flávio Veras/Capital News

Vice da chapa de Alckmin visita Campo Grande

 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix