Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017 | 04:21
27˚
(67) 3042-4141
Política
Sexta-Feira, 10 de Março de 2017, 10h:44
Tamanho do texto A - A+

Azambuja desmente acordo com Lidio, que acha postura “lamentável”

Deputado afirma existência de acordo com governador para nome dele na presidência da CCJR, o que não ocorreu

Natália Moraes
Capital News

ALMS

Deputado Lidio Lopes é autor da lei que prevê ações educativas, de orientações e conscientização da água.

Deputado Lidio Lopes disputou presidência da CCJR, mais importante comissão da Casa de Leis

A eleição da presidência da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), mais importante da Assembleia Legislativa, ainda tem gerado discussões sobre o resultado. Agora, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) se manifestou alegando não existir acordos com o deputado Lidio Lopes (PEN), que perdeu o posto para o parlamentar do PSDB, Beto Pereira.


Lopes alega a existência de um acordo feito com o governador para que ele se consagrasse o presidente da CCJR. Após o resultado da eleição, ele declarou se sentir “traído” e criticou Azambuja. O parlamentar disse que o “homem tem que ter palavra”, e que irá reavaliar sua posição na Casa de Leis, já que faz parte da base aliada do governo.


No entanto, conforme declaração dada na quinta-feira (9) à imprensa, Azambuja disse que o pacto não existe. “Não teve esse acordo, então ele está equivocado porque quando a gente faz acordo a gente cumpre”, disse.


Azambuja explicou que fez um pacto com o presidente do Legislativo, deputado Junior Mochi (PMDB) para que a CCJR fosse presidida por um membro do PSDB. “Isso fez parte do entendimento da reeleição do atual presidente, então não é verdadeiro o que ele disse”.


Sobre o questionamento do deputado, Azambuja disse que homens públicos estão sujeitos a críticas, mas que respeitará a decisão do parlamentar, caso ele venha a deixar a base aliada. “É uma decisão pessoal, se o deputado optar de não estar na base, é uma decisão dele, que a gente vai entender e respeitar”.


Ao saber da postura do governador sobre a possibilidade da saída da base, Lopes a considerou “lamentável”. “Lamento o governador ter dito isso, porque ele tinha compromisso comigo desde o primeiro ano de mandato”, finaliza.

CCJR

A comissão enfrentou forte disputa por parte de Lidio Lopes e Beto Pereira. A presidência foi decidida na última terça-feira (7), quando o parlamentar tucano e vice-líder do governo venceu por três votos a dois. Além dos dois deputados, participam da CCJR Pedro Kemp (PT), Rinaldo Modesto (PSDB) e Renato Câmara – líder do bloco do PMDB – que ficou com a vice-presidência da comissão.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix