Campo Grande/MS, Quinta-Feira, 18 de Outubro de 2018 | 01:18
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Terça-Feira, 09 de Outubro de 2018, 19h:15
Tamanho do texto A - A+

Infoxicação: mais um mal da modernidade

Por Antonio Monteiro*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Você já teve a sensação de que não está conseguindo ler todas as informações que estão a sua disposição todos os dias?

Divulgação

Antonio Monteiro - Artigo

Antonio Monteiro


Isso causou alguma ansiedade em você?

Cuidado! Você está em risco de sofrer de INFOXICAÇÃO!

Infoxicação?! O que é isso?!

Esse conceito foi criado por um físico espanhol, Alfons Cornella em 1996 para designar a situação em que uma pessoa tenta receber e analisar um número de informações muito maior do que seu organismo é capaz de processar.

Apesar de estar tentando captar o máximo de informações possível, a pessoa fica com a sensação que está desatualizada e sofre com isso sentindo-se culpada.

Segundo especialistas da Universidade de Berna participantes da Mostra da Comunicação de Berna na Suíça (2012), um ser humano tem a capacidade máxima de ler 350 páginas por dia, caso faça apenas isso o dia inteiro!

Entretanto, o volume de informações que recebemos diariamente através de: internet, redes sociais, WhatsApps, e-mails, revistas, jornais, rádio, televisão é de cerca de 7.355 gigas, que é o equivalente a bilhões de livros!

Além de causar problema para a saúde da pessoa, que tenta captar mais informações do que é capaz de receber, analisar e efetivamente usar, esse problema é um dos principais responsáveis pela difusão cada vez maior e mais rápida das fake news, que tanto mal tem ocasionado a pessoas e sociedade como um todo.

Assim sendo pode-se afirmar que essa nova doença da humanidade, chamada pelo psicólogo britânico David Lewis de Síndrome da Fadiga Informativa é um sério problema de saúde pública, com tendência de se agravar cada vez mais.

Embora seja um problema grave em crescimento, desconheço iniciativas governamentais visando controlar essa situação.

Alguns indivíduos isoladamente tem percebido o problema e tem tentado reduzi-lo com algumas medidas que julgam serem adequadas, mas as empresas já sentiram que esse problema está atingindo principalmente seus executivos de alto escalão e causando nos mesmos ansiedade, dúvidas, danos nas relações pessoais, baixa satisfação no trabalho e muitas vezes gerando informações falsas que irão prejudicar a própria empresa.

Algumas empresas preocupadas com o problema têm tentado controla-lo através de orientações de como lidar com esse tsunami de informações recebidas diariamente e sugerem como medidas essenciais:

Nunca divulgue uma informação sem checar se é ou não verdadeira.

Escolha com cuidado as fontes das informações que pretende obter.

Divulgue apenas conteúdos atualizados e que possam ajudar pessoas.

Na dúvida não repasse essa informação.

Não fique ansioso por não conseguir saber tudo de tudo. Ninguém no mundo sabe!

A cada dia que passa ficaremos mais ignorantes do conjunto de todas informações disponíveis e isso não vai mudar.

Decida o que você precisa saber ou gosta sobre essas informações e vá busca-las, mas com muito bom senso e dentro da sua capacidade humana.

Lembre-se, você não é um computador!

 

 

*Antonio Monteiro

Médico clínico geral e preventivista formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Contato: prof.amonteiro@gmail.com

2 COMENTÁRIOS:

Lindo artigo
enviado por: Angelo em 10/10/2018 às 15:36:01
1
 
0
responder
Matéria de primeira qualidade, focalizada por um colega de muita vivência médica e grande competência. Verdade: internet é um saco sem fundo: cabe tudo, até o que não cabe no nosso "cucuruto". Parabéns ao Dr Antonio e a Capital News pela iniciatiba.
enviado por: Sjostrand em 10/10/2018 às 11:54:03
1
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix