Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 22 de Setembro de 2017 | 23:41
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Domingo, 05 de Março de 2017, 10h:39
Tamanho do texto A - A+

Prefeitto analisa situação da Capital e dá prazo máximo para restabelecer medicamentos nas UBSF

Medicamentos, iluminação, buracos, foram alguns dos pontos detalhados por Marquinhos Trad, em entrevista concedida a Tv Record

Flavia Andrade
Capital News

Reprodução/MSRECORD

Prefeitura analisa atual situação da Capital

Medicamentos, iluminação, buracos, foram alguns dos pontos detalhados por Marquinhos Trad, em entrevista concedida a Tv Record

 

Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, em entrevista ao jornal da Tv Record neste sábado (04), comentou sobra a falta de remédios das Unidades Básicas de Saúde (UBS), com prateleiras vazias, sendo motivo de transtorno para a população e motivo de comentário entre os médicos da rede municipal, pois os mesmos alegam, que não tem como realizar um atendimento de qualidade com a falta de medicamentos para os pacientes. 

 

De acordo com Marquinhos Trad, “existem uma série de burocracias estatais que eu tenho que responder, para poder realizar a solicitação dos remédios com a licitação de urgência. Eu tenho dinheiro para comprar, porém, não posso simplesmente comprar. Os fornecedores queriam receber os R$ 22 milhões que a prefeitura devia, sobre remédios comprados anteriormente, estamos negociando e pagando esses fornecedores para podermos receber esses remédios”, alega prefeito. 

 

Em contrapartida a ausência de remédios nas UBS da Capital, em um projeto social, conduzido pelo médico aposentado Dr Jayme Aguiar, o estoque está lotado. O médico realiza atendimento em um salão lateral a uma Igreja, onde através de doações de remédios que sobram na casa da população, Dr Jayme fornece os remédios de acordo com a necessidade do paciente. 

 

A reportagem do Capital News, em matéria divulgada anteriormente, informou que, a Secretaria Municipal de Saúde alegou que a compra de remédios foi solicitada e que o caos com a falta dos medicamentos já acontecia a aproximadamente 8 meses na Unidade Básica de Saúde do bairro.  

 

Segundo Marquinhos Trad, assumiu a prefeitura com R$37 milhões, havendo que realizar pagamentos de R$111 milhões de reais, além de reposições e pagamentos que tiveram que ser feitos durante os primeiros dois meses de administração.

 

Além da situação financeira, a população questiona ausência de iluminação pública há mais de 1 ano em algumas regiões da Capital. Marquinhos Trad diz que “recebemos a prefeitura com 80 mil lâmpadas queimadas, e já conseguimos trocar 12 mil lâmpadas”, pontua Marquinhos Trad. 

 

Pela cidade é visível a quantidade de buracos nas ruas da cidade, e ainda existem muitas ruas não pavimentadas, onde segundo Marquinhos Trad, “ficamos quase quatro anos sem manutenção, estamos fazendo um esforço concentrado”, alega Marquinhos. A prefeitura ficou dois anos e meio no Serasa e no Cadin (Cadastro de Inadimplentes), “tivemos que pagar todas as contas para poder realizarmos novas parcerias, novos projetos”, diz prefeito. 

 

Matos e lixos também foram temas da entrevista respondida pelo prefeito Marquinhos Trad, “a demanda da cidade é grande, demos algumas prioridades nestes primeiros 40 dias úteis, e pedimos paciência, pois estamos nos empenhando para resolver todos os problemas da cidade”, conclui prefeito.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix