Campo Grande/MS, Sábado, 20 de Julho de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Sábado, 12 de Janeiro de 2019, 10h:32
Tamanho do texto A - A+

Piso do magistério é reajustado com índice maior do que a inflação

CNM entende que os aumentos devem ser negociados pelos governos estaduais e municipais

Flavia Andrade
Capital News

Divulgação

Piso do magistério é reajustado com índice maior do que a inflação

CNM entende que os aumentos devem ser negociados pelos governos estaduais e municipais

Nesta semana a Confederação Nacional de Municípios (CNM) publicou novamente em seu site conteúdo sobre o piso do magistério ser reajustado com índice maior do que a inflação do ano anterior.

 

O Ministério da Educação (MEC) divulgou matéria em seu site com o reajuste de 4,17% do piso nacional do magistério para 2019. Ao aplicar esse percentual, o valor do piso, que corresponde ao vencimento inicial dos profissionais do magistério público da educação básica, com formação de nível médio, modalidade normal, jornada de 40 horas semanais, passa de R$ 2.455,35 em 2018 para R$ 2.557,74 a partir de janeiro deste ano.

 

Segundo a CNM, o piso é reajustado com índice maior do que a inflação do ano anterior, pois, em novembro de 2018, o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) acumulado nos últimos dozes meses foi de 3,56%.

 

Conforme comunicado divulgado pelo MEC, “como até o presente momento não houve alterações expressas na Lei, bem como na forma de cálculo, compreende-se que a metodologia para a constituição do percentual de variação do PSPN está mantida”.

 

A Confederação enfatiza a necessidade de urgência na aprovação do Projeto de Lei (PL) 3.776/2008, para adotar o INPC como critério de reajuste anual do valor do piso nacional do magistério público da educação básica.

 

A entidade mantém seu entendimento de que os aumentos reais nos valores dos vencimentos do magistério devem ser negociados pelos governos estaduais e municipais com seus respectivos professores. 

 

Com informações da Agência CNM e Assomasul

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix