Campo Grande/MS, Domingo, 18 de Agosto de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Educação
Terça-Feira, 13 de Agosto de 2019, 10h:11
Tamanho do texto A - A+

Greve nacional da educação paralisam escolas da capital e do interior

Fetems e ACP também participaram da manifestação

Laryssa Maier
Especial Capital News

Divulgação/Polícia Militar

Greve nacional da educação paralisam escolas da capital e do interior

Manifestantes caminham pela area central de Campo Grande

Tem início (13) Greve nacional da educação, promovida por, professores, servidores e acadêmicos da UFMS, UEMS, pais de alunos, colaboradores em geral. Todo o Brasil se mobilizam para aderirem à greve geral, contra o programa “Future-se” do Ministério da Educação.

 

De acordo com informações, a concentração será a partir das 9h na Praça Ary Coelho, com carros de som, faixas e cartazes. A ideia é percorrer as principais ruas da área central de Campo Grande em passeata para sensibilizar a opinião pública com relação às ameaças que pairam sobre a educação em nível superior no Brasil. Movimento a qual participantes nomearam de “tsunami da educação” nas redes sociais.

Divulgação/Polícia Militar

Greve nacional da educação paralisam escolas da capital e do interior

Manifestantes fecham a Av. Afonso Pena na manhã desta segunda-feira.

 

Professor Jaime Teixeira, presidente da FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), em entrevista para o Capital News, afirmou que 90% das escolas na capital não terão aula, nesta terça-feira (13). Jaime disse que as manifestações não ficaram centradas só em Campo Grande. “Pelo menos 12 cidades regionais estão organizando também: Nova Alvorada do Sul, Dourados, Ponta Porã, Três Lagoas, Corumbá, Nova Andradina, Coxim, Paraíso das Águas, Amambai, Jardim, Naviraí, Paranaíba e Aquidauana” afirmou. 

 

Segundo Waldevino Basílio, coordenador geral do SISTA-MS (Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Fundação UFMS), o Governo vem apertando a situação das universidades, cortando verbas e diminuindo os cursos oferecidos e diminuindo as chances das instituições oferecerem um ensino de qualidade.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix