Campo Grande/MS, Sábado, 20 de Julho de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Sábado, 20 de Abril de 2019, 11h:39
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Alexandre de Moraes retira censura da notícia “O amigo do amigo do meu pai”

Por Marco Eusébio

Da coluna Entrelinhas da Notícia
Artigo de responsabilidade do autor

Reprodução

ColunaMarcoEusébio

Alexandre de Moraes revogou hoje a censura e admitiu que notícia sobre Toffoli não é 'fake news'

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, revogou na quinta (18) decisão por ele tomada na segunda-feira que censurava a matéria "O amigo do amigo de meu pai" da revista eletrônica Crusoé e do site O Antagonista, que informava que o codinome em planilhas da Odebrecht se referia a Dias Toffoli, na época advogado-geral da União do governo Lula, e atual presidente da Corte. Depois de a censura virar alvo de críticas até de outros integrantes do STF, Moraes, que antes alegou que a notícia seria "fake news", agora revogou a medida com o argumento de que ficou comprovado que realmente existe o documento citado pela reportagem do site e da revista. O Antagonista publicou a íntegra da decisão (leia aqui), informou que aguarda a notificação judicial colocar as matérias de novo no ar e afirmou: "Quem venceu foi a democracia e um dos seus pilares, a liberdade de imprensa."

 

• • • • •

 

O problema não é o Supremo

Ilustração/Reprodução

ColunaMarcoEusébio

O Supremo, como as demais instituições, deve estar acima de interesses pessoais para garantir a real democracia

Em meio à polêmica em torno da censura à matéria sobre o codinome "Amigo do amigo do meu pai" da revista Crusoé e do site O Angatonista, cujo tiro saiu pela culatra com repercussão em toda a imprensa nacional, algumas pessoas criticam o Supremo, quando deveriam defender a instituição máxima do Judiciário, essencial ao equilíbrio dos poderes e da democracia nacional. O problema, para alguns observadores, talvez esteja no monopólio da indicação política dos ministros da Corte, prerrogativa exclusiva do presidente da República de plantão.

Há vários projetos para mudar a regra. Em 2015 divulgamos aqui, como exemplo, a PEC nº 17/11 que divide a indicação dos ministros entre seis instituições, alternadamente: três dos onze seriam indicados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), dois pela Procuradoria-Geral da República (PGR), um pela Câmara, um pelo Senado, dois pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e dois pela Presidência da República. Este é apenas um exemplo, que até pode não ser o ideal, mas é uma alternativa.

Acontece que, como essa PEC de 2011, essas propostas sempre acabam "esquecidas" nas gavetas do Congresso. Isso, na opinião de seus defensores, mantém o "sistema" entrelaçado e impede a real independência dos poderes, vital à democracia e à uma justiça que seja, de fato e de direito, para todos.

 

 

   Leia a coluna de hoje clicando aqui em Marco Eusébio in Blog

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix